Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tabuleiros em aco

01 de Dezembro, 2014
A cidade de Saurimo, capital da província da Lunda Sul, centraliza as atenções dos amantes do xadrez. De Angola e dos demais países do Continente, ao albergar, a partir de hoje e até ao próximo dia 10, o Campeonato Africano de Xadrez em Juniores. Angola organiza o certame por desistência do Egipto, que era inicialmente o país organizador.

Dezanove anos depois, o nosso país regressa à organização de um grande evento africano desta modalidade. Isso permite ao xadrez conhecer um novo impulso, depois do sucesso que teve anos atrás.

Em 1995, a cidade de Luanda acolheu o primeiro Campeonato Africano realizado em Angola e o troféu foi conquistado por Eugénio Campos. A cidade de Saurimo entra agora na lista restrita de cidades com histórico na organização de campeonatos continentais.

O xadrez nacional exerceu um papel de embaixador nos anos 90. No espaço de dez anos, Angola coleccionou cinco títulos continentais consecutivos na categoria de juniores. Eugénio Campos e Valdemiro Pina ostentam dois títulos de campeões africanos cada um.

A estes dois juntamos Adérito Pedro, Erikson Soares e Esperança Caxita, actual campeã africana em femininos. Para a edição que hoje começa as esperanças dos angolanos estão centradas em Cristiano Aguiar, da Académica do Lobito, em masculinos, e em Esperança Caxita, que todos acreditam que pode conservar o título africano conquistado na edição passada na Argélia.

Tudo e todos são poucos para que este Africano decorra sem sobressaltos e tenha um bom início e melhor continuidade. Os representantes dos 14 países presentes devem sintir-se seguros de que nada de anormal os vai incomodar, para assim poderem incentivar as cores dos seus países.
Em termos organizativos foram criados espaços de lazer em locais de aglomeração de jovens, com tabuleiros e um monitor para a transmissão de conhecimentos básicos sobre a modalidade.

Trata-se de uma oportunidade ímpar para o nosso país mostrar ao mundo o seu potencial organizativo, turístico, daí que se exija um maior engajamento de outros sectores da sociedade para a organização com o sucesso que se pretende nesta segunda vez que Angola alberga uma competição deste género.

O ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Mundumba, encontra-se desde a manhã de sábado na cidade de Saurimo, onde vai presidir à cerimónia de abertura do Africano de Xadrez. Para além de Angola, a prova, cuja cerimónia de abertura tem lugar no Estádio Municipal das Mangueiras, conta com representantes da Argélia, Botswana, Burundi, Malawi, Mali, Mauritânia, Moçambique, Namíbia, São Tomé e Príncipe, Uganda, Zâmbia, África do Sul e Suazilândia.

Recuperar a hegemonia no continente africano anima os jogadores angolanos, que tudo vão fazer para demonstrarem que Angola é um país dotado para a prática do xadrez.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »