Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Temos futuro

15 de Setembro, 2017
Angola voltou a dar cartas ao nível do andebol júnior feminino em África ao subir ao lugar mais alto do pódio no campeonato africano, numa competições em terminou a prova sem sofrer qualquer derrota nos sete jogos que disputou, o que, desde já, afasta qualquer dúvida que insista, teimosamente, em permanecer, quanto ao seu poderio e a sua hegemonia na competição que teve como palco a cidade de Abidjan.

De facto, e quando cá por casa as atenções se centravam na incerteza que envolvia uma outra selecção, a sénior masculina de basquetebol que no Senegal, uma das sedes do Campeonato Africano, ensaiava estratégias para evitar o afastamento precoce da prova, as meninas do andebol conquistavam o título com um triunfo convincente sobre o Egipto, ao mesmo tempo que garantiam a presença no próximo Campeonato do Mundo.

Nada que para as angolanas seja estranho. A igual do \"sete\" nacional sénior, as meninas de juniores têm uma pedalada ganhadora, e isso tem permitido marcar presença nos grandes palcos mundiais como dignas representantes do continente.

Dessa forma, as jogadoras ganham a maturidade competitiva para que quando chegarem ao escalão mais alto encararem as competições com a maior naturalidade.

O domínio de Angola no andebol feminino ao longo do tempo teve como base uma política acertada dos órgãos que regem o desporto nacional, além do investimento que os clubes fazem em prol do desenvolvimento.

Petro de Luanda, como equipa mais ganhadora em África, e 1º de Agosto, apenas para citar estes, são dois bons exemplos da forma como o andebol deve ser tratado, tanto na vertente competitiva como no que diz respeito à organização.

Abidjan parece ser um talismã para o andebol angolano. Nesta altura, a selecção nacional de cadetes lá participa, também, no campeonato africano, numa prova em que deixou bons indicativos nos dois primeiros jogos.

As meninas mais novos certamente que pretendem seguir as peugadas das irmãs mais velhas, seniores e juniores, e mostrar que o domínio de Angola em África é em todos os escalões.

Depois da sua vitória na primeira jornada do campeonato de África das Nações de Cadetes sobre RDC, seguida da folga, terça-feira, Angola venceu hoje (quarta-feira) a Argélia, por 36-18 na terceira jornada da prova que decorre em Abidjan.

As angolanas revalidaram o título continental ao vencerem na última jornada o Egipto, por 29-19.

Esta classificação garantiu presença no próximo campeonato do mundo da categoria, a par da segunda e terceira classificadas da competição.

As angolanas conservaram o troféu sem averbar qualquer derrota nos sete jogos disputados.As angolanas conservaram o troféu sem averbar qualquer derrota nos sete jogos disputados.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »