Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Todos com os Palancas

11 de Outubro, 2018
Angola tem, amanhã, mais um teste de fogo na corrida para o CAN dos Camarões no próximo ano, quando defrontar a Mauritânia no 11 de Novembro, para a terceira jornada do grupo I de qualificação.
A dificuldade da empreitada reside, tão simplesmente, no facto do adversário ser, até agora, o líder isolado da série que compartilha, também com o Botswana e o Burkina Faso, este último a quem venceu na jornada transacta, e tido como principal favorito à passagem à fase final da competição.
O facto jogar em Luanda na condição de comandante, deve ter galvanizado os mauritanianos nesta viagem à capital angolana, e isso deve servir de alerta aos Palancas Negras que, mesmo tendo vivido velhos problemas de condições para a sua preparação, ainda assim não quererão, decerto, atirar para o lixo a empatia que têm com os adeptos, após o último triunfo diante do Botswana.
A Mauritânia já mostrou as suas ambições. Mas nada que impeça os Palancas Negras de não tirar partido do factor casa, e, por isso mesmo, refrear as suas intenções de triunfar. Ademais, foi isso mesmo que o adversário fez, quando desalojou os burkinabes da liderança, com uma clara vitória em sua casa.
O cenário no grupo, indica que a Mauritânia, Burkina Faso e Angola (isso por ordem de classificação à entrada da terceira jornada), são as formações que deverão lutar até ao fim pelas vagas para a fase final, uma vez que a quarta formação, Botswana, vai precisar de um milagre para lá chegar.
Amanhã, Angola pode clarificar as suas contas. Pois, com um triunfo no 11 de Novembro e na eventualidade do Burkina Faso fazer valer a sua condição de favorito contra o Botswana, em Ouagadougou, angolanos, burkinabes e mauritanianos ficarão todos com 6 pontos.
Os angolanos estão à espera que os seus Palancas saiam do estádio, no final da contenta, de cabeça erguida, com a confiança necessária para encarar os próximos desafios com serenidade, não obstante as queixas (legítimas) do seleccionador nacional.
Quem tem aspirações de chegar ao CAN, deve saber que todos os momentos são bons para sonhar, que todas as oportunidade devem ser aproveitadas ao pormenor, porque em cada jornada os adversários directos não vão dormir.
Em ocasiões anteriores, os Palancas Negras lograram o apuramento em situações extremas, com os jogadores a sofrerem e a fazerem sofrer os adeptos até aos derradeiros minutos, na fase de qualificação. Pelo que, agora, e certamente com outra mentalidade, é hora de não deixar para amanhã o que se pode fazer hoje.
Daí a fome de pontos de assola o conjunto e que é preciso colmatar já com um triunfo amanhã, no 11 de Novembro. Por um ou por mil, pouco importa, porque o que todos queremos é apenas a vitória.

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »