Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tombo palanquino

01 de Junho, 2019
Tal como era previsível, acaba por se confirmar a despromoção para a II Divisão e depois para o campeonato provincial de futebol de Luanda do Kabuscorp do Palanca, clube liderado por Bento dos Santos Kangamba. Apesar do pagamento da última tranche da dívida, para com o ex-internacional brasileiro Rivaldo Ferreira, o incumprimento no prazo de liquidação desta, levaram a que o emblema palanquinho conhecesse mais um tombo na alta-roda do futebol nacional.
O anúncio dessa medida foi feita, esta semana, pelo presidente do Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol (FAF), José Carlos, que explicou à imprensa, o facto de o clube do Palanca ter efectuado o pagamento fora do prazo estabelecido pelo órgão reitor do desporto-rei a nível mundial. A Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA), havia orientado ao Kabuscorp o pagamento ao antigo campeão do mundo pelo Brasil até 24 de Abril, algo que não chegou a ser honrado pelos palanquinos.
Na sequência desse incumprimento, o órgão reitor do futebol mundial, de acordo ainda com José Carlos, determinou a inevitável despromoção do Kabuscorp do Palanca, efectivada pelo Conselho de Disciplina da FAF.
De acordo com a orientação da FIFA, o clube liderado pelo empresário e oficial na reserva das Forças Armadas Angolanas (FAA) viola os prazos estabelecido no acordo e daí a mão pesada desse órgão, que culminou com a despromoção Girabola Zap, não obstante os palanquinos terminarem a prova na 4ª posição com 49 pontos. É imperioso lembrar que, dos 500 mil dólares negociados da dívida, o Kabuscorp liquidou em três prestações, pagando 300 mil na primeira tranche,70 mil na segunda e 89.700 mil na terceira, faltando daí 30 mil dólares para cumprimento total desse pendente do Rivaldo.
Foi na sequência de incumprimentos contratuais, com jogadores e treinadores, que a FIFA orientou a direcção da FAF a rebaixar o Kabuscorp para o escalão secundário e isto quando o clube já tinha também um “caso pendente” com Trésor Mputu Mabi, contratado ao TP Mazembe da República Democrática do Congo (RDC).
Este acaba por ser o segundo tombo do emblema palanquino na mais alta-roda do futebol nacional, isto depois da situação ocorrida em 1998, em que os jogadores da equipa faltaram ao último jogo do campeonato desse ano, frente a Académica do Lobito, em Luanda, por incumprimentos contratuais.
Agora, confirmada que está a despromoção do Kabuscorp do Palanca, fica, assim, definido o quadro de equipas que descem de divisão nesta época de 2018/2019. Nesse caso, o Cuando Cubango FC, que terminou a época na décima-quarta posição do Girabola Zap com 26 pontos, “ex-aquo” com o Atlético Sport Aviação (ASA) na décima-quinta, vê-se agora bafejado pela sorte, dado a vantagem nos confrontos entre si.
Assim sendo, além do Kabuscorp, confirma-se as descida de divisão do ASA e do Saurimo FC, equipa esta que se quedou na última posição com 21 pontos.

Últimas Opinies

  • 19 de Setembro, 2019

    Capitalizar os Capitas

    Está na baila o que adjectivo por “Caso Capita”, que até onde sei envolve a direcção do Clube Desportivo 1º de Agosto, o agente do jogador, a Federação Angolana de Futebol e a família de sangue do referido atleta, que até prova em contrário, ainda está vinculado ao clube militar, que o inscreveu para a presente época futebolística.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Sinto-me bem na província da Lunda-Norte. As pessoas têm sido fantásticas comigo, em todos os aspectos. Têm-me apoiado bastante e, naturalmente, os jogadores, direcção e todos os membros do clube.

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Pensamento de Drogba

    Considerando que a vida é feita de sonhos e ambições, é de todo legítimo o pensamento do antigo internacional costa-marfinense Didier Drogba, em traçar como meta das suas ambições, enquanto homem do futebol, a presidência da Federação Costa-marfinense de Futebol.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    O lado difcil do marketing desportivo

    "Do jeito que vocês estão a trabalhar, o marketing desportivo em Angola, muito abaixo da linha da cintura, creio que este é o pior momento possível para se apostar no sector”, desabafou um especialista brasileiro, numa conversa mantida recentemente em ambiente reservado, com um pequeno grupo de jovens empreendedores, que "sonham" fazer grandes negócios através do marketing desportivo.

    Ler mais »

  • 16 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    O Sagrada é um clube com carisma, mística e sente-se isso na província, quer no dia-a-dia com os adeptos, quer no contacto com as pessoas.

    Ler mais »

Ver todas »