Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Treinadores despedidos

12 de Abril, 2017
Os treinadores de futebol vivem tempos difíceis por estes dias, com os despedimentos a sucederem-se uns atrás dos outros, numa altura em que o Girabola Zap já atingiu mais de metade do percurso da primeira volta, com nove jornadas disputadas.Na última segunda-feira, o técnico Helder Teixeira e a direcção do 1º de Maio de Benguela colocaram a nu as suas divergências e resolveram anunciar o divórcio entre as duas partes.

O móbil foram os maus resultados a equipa benguelense vinha tendo sob o comando do referido treinador. Teixeira deixa a equipa na 11ª posição com oiro pontos, muito longe, por isso, da linha de despromoção e com cinco formações atrás de si. O técnico não suportou a pressão a que estava a ser submetido por aquelas paragens, e a força do \"chicote\" fez-se valer.

No mesmo dia, a direcção do clube Santa Rita de Cássia FC do Uige, chefiada por Nzolani Pedro, rescindiu o contrato com os treinadores adjuntos e o director técnico, por motivos de desentendimento com o técnico principal Sérgio Traguil, concretamente Mbuisso António e os adjuntos Dianguito e Lusadila Dady.

O presidente do clube diz que a rescisão foi de forma amigável, depois de uma reunião com o patrocinado do Clube, tendo avançado que o desentendimento existente entre os adjuntos e o treinador principal tem causado instabilidades no seio do grupo.O certo, é que são duas saídas que podem provocar mossa no grupo do clube que na classificação está numa situação delicada, ao ocupar o 14º posto, com apenas seis pontos arrecadados.

O último treinador a conhecer a força do \"chicote\", foi o técnico João Machado, decano dos treinadores no campeonato, e que até a última segunda-feira esteve ligado ao ASA. Uma ligação com pouca duração, porquanto João Machado orientou a equipa em apenas nove jornadas, em que conseguiu cinco empates e três derrotas, o que corresponde a cinco pontos, sem qualquer vitória na prova, sendo a única formação nessa situação, e com o conjunto aviador na penúltima posição, a viver o mesmo dilema do passado, competir na competição para não descer de divisão.

Os treinadores sabem que vivem de resultados, e quando estes não aparecem quase sempre são os primeiros a serem sacrificados. Por esta altura, são já cinco o número de treinadores despedidos nesta temporada, mas nada indique que este número fique por aqui.O nosso Girabola é dos campeonatos que mais treinadores despede ao longo de uma temporada, porque são eles que pagam as facturas, às vezes, de épocas mal preparadas administrativamente pelas direcções das respectivas agremiações.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »