Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tudo a postos

19 de Setembro, 2013
Angola está a partir de amanhã no centro de todas as atenções. O início do 41º Campeonato do Mundo de hóquei em patins, o primeiro que se realiza no continente africano, marca uma nova era da modalidade. E Angola, ao albergar a prova, assume uma grande responsabilidade. Face ao apoio recebido pelo Executivo, a organização tudo vai fazer para que possamos assistir ao melhor Mundial de todos os tempos. Este é o propósito que norteia o comité organizador.

A inauguração, na passada terça-feira, do Multiusos de Luanda, palco das cerimónias de abertura e encerramento, e do Welvitschia Mirabilis, palco das séries B e D, engrandece ainda mais o evento, que conta com duas infra-estruturas construídas de raiz.A construção do pavilhão de Luanda constituiu desde o início um sério desafio, mas se associarmos o facto de ter sido erguido por uma empresa nacional em tempo recorde pode-se afirmar com justeza que Angola está bem encaminhada no que concerne a qualidade, qualificação de quadros e responsabilidade.

Os dois pavilhões representam não só um ganho para o país, mas também uma forma de desenvolver, cada vez mais, a prática do desporto em Angola. Com a inauguração do pavilhão Welvitschia Mirabilis e do Multiusos de Luanda, podemos dizer que as condições estão todas criadas para a realização da 41ª edição do Campeonato do Mundo de hóquei em patins. A construção de raiz das duas estruturas desportivas representa ganhos imensos porque, além de conferir boas condições para a prática desportiva, deu emprego à juventude e oportunidades de negócios aos empresários.

Angola vai fazer no Namibe o jogo com Portugal, mas a população da província vai poder ver alguns jogos de preparação antes do início do Campeonato do Mundo. Desta forma, fica certamente assegurada a adesão do povo a uma modalidade que está em franca expansão entre nós, fruto da realização da prova no país.

Esta é a 17ª presença do “Cinco” nacional em campeonatos do mundo. Depois do sexto lugar alcançado em 2009, na cidade espanhola de Vigo, a Selecção Nacional tem tudo para melhorar esta performance. Um propósito que anima todo o grupo de trabalho e que foi vincado por Orlando Graça, aquando da inauguração do Multiusos de Luanda. O apoio do público é determinante para que esta vontade se concretize.

"O nosso público hoje (terça-feira) mostrou que está connosco como sempre foi e quero que mantenham esta atitude no campeonato, visto que eles podem ser determinantes”, disse o técnico.A ansiedade vai aparecer em todos os jogos, mas temos que a transformar positivamente. A Selecção Nacional assume a melhoria do sexto lugar alcançado em 2009, em Vigo, numa competição em que tudo lhe correu à feição, e que tenta voltar a fazê-lo, a partir de amanhã.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »