Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Tudo a postos

21 de Abril, 2017
Depois de duas voltas bem disputadas, nas fases anteriores, em que o Recreativo do Libolo foi o destaque, espera-se que a partir dos quartos de final intensifica-se a competitividade para o engrandecimento do próprio campeonato a fim de se encontrar no final um campeão de mérito, como tem sido norma até aqui.

Tal como já se disse aqui, para a disputa do título do BIC Basket vamos ter os mesmos candidatos, o trio ou quarteto de sempre, com o Recreativo do Libolo, 1º de Agosto, Petro de Luanda e quiçá Interclube, este último que tem de melhorar a performance para não ser surpreendido.

Apesar de quatros equipas poderem garantir a presença nas meias-finais, apenas duas vão estar habilitadas a disputar a batalha decisiva, a final. Por aquilo que nos foi dado a ver até agora, Recreativo do Libolo e 1º de Agosto estão na \"pole position\", mas não é descartar eventuais surpresas, atendendo que se entrou para a fase do \"mata-mata\", ou A XXIX edição do Campeonato Nacional de basquetebol em seniores masculinos, vulgo BIC Basket, entra a partir de agora para uma das suas fases decisivas: os quartos de final. Ou seja, a partir dos jogos de hoje começam a se alinhar os potenciais candidatos que vão procurar chegar às meias-finais e, consequentemente, à final.seja, da eliminatória directa.

à partir de agora, as equipas que levarem a melhor sobre os adversários seguem em frente e as que perderem ficam pelo caminho. Daí que é de vislumbrar um \"tudo ou nada\" por parte de todas as equipas, podendo por isso mesmo, caso não haja cautelas e concentração, da parte dos grandes ou favoritos, acontecerem agradáveis surpresas. Militares, libolense e petrolíferos, sem qualquer rigor pela ordem como são enumerados, são os potenciais candidatos, tal como tem sucedido nos últimos três anos. Qualquer uma delas tem no título a concretização da meta para no final poder dizer que o objectivo foi alcançado. Por agora, não há perigo em tropeçarem, pois as equipas adversárias não do seu campeonato e com maior ou menor dificuldade vão garantir as meias-finais.

Como campeão, o 1º de Agosto carrega a maior responsabilidade, pois tem a missão de defender o prestígio alcançado no ano passado. Depois de dois anos em seca (2014 e 2015), os militares conseguiram regressar aos títulos, com uma vitória suada numa grande final com os libolenses. Mas em função do desempenho nas fases anteriores a tarefa este ano não se adivinha fácil para Ricard Casas e seus pupilos.

O mesmo propósito tem a equipa do Cuanza Sul, que também vive uma seca de duas época (2015 e 2016). Ao contrário dos militares, os libolenses revelaram maior eficácia nas duas primeiras voltas e entram como os grandes favoritos. Mas terá de ser na quadra, mais uma vez, onde terão de mostrar que o desempenho tido até agora não foi obra de mero acaso. Aliás, tiveram já um sério aviso do 1º de Agosto, quando na última jornada quebrou-lhes a invencibilidade na prova, pelo que todo o cuidado será pouco para Hugo Lopes e sua rapaziada.

Por fim, nas hostes do Eixo -Viário, o camaronês Lazare Adingono vai tentar repetir a proeza de há dois anos, quando em 2015, contra todas as previsões chegou ao título, como prémio de um árduo trabalho desenvolvido na equipa do Petro de Luanda. A empreitada será arrojada, mas por aquilo que já mostrou nada voltará a ser surpresa. A ver vamos o que nos reservam estes quartos de final que têm início hoje.

Últimas Opiniões

  • 17 de Agosto, 2017

    Noventa minutos de alto risco

    O Madagáscar é daquelas equipas que não se explicam totalmente pela táctica nem pela técnica.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Citações

    Falámos pouco dele durante a semana passada, mas foi um jogador muito importante.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Limar as arestas

    As angolanas efectuaram um estágio précompetitivo no Brasil durante cerca de duas semanas, disputaram um total de seis
    jogos de controlo, com realce para dois que realizaram com a selecção principal local, que permitiram ao seleccionador nacional tirar as
    devidas ilações de como está o grupo para grande empreitada.

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Cartas dos Leitores

    À medida que a equipa cresce, crescem também as capacidades de ultrapassar as divergências

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Palancas sem pausa

    Olha-se pelo giro dos ponteiros do relógio e vem a necessidade de procurar tirar maior partido do tempo no desenvolvimento de um trabalho sério e aturado que ajude a equipa a superar debilidades no campo e acertar nos detalhes essenciais

    Ler mais »

Ver todas »