Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tudo definido

04 de Novembro, 2014
Há muito que o Girabola não registava um cenário como o que se verifica agora, com tudo definido, antes do correr das cortinas.Quando falamos em tudo, referimo-nos à questão do título, que ficou resolvido na antepenúltima jornada, após o Kabuscorp ter dado um “empurrão” ao Libolo, com o empate que cedeu no jogo com o Benfica do Lubango, e também fica definido no tocante às equipas do topo do Girabola que vão representar o país na próxima edição das Afrotaças e dos clubes que por causa do seu fraco rendimento perdem o direito de desfilar entre os grandes.

Não se infira perante este quadro, que testemunhamos um campeonato pouco competitivo. Pelo contrário, o topo deu-nos espectáculos de grande despique, mesmo no período em que a luta pelo título ficou realisticamente reservado a dois, o novo campeão Libolo e o campeão destronado, Kabuscorp, que até ao inesperado empate na Tundavala com os encarnados do Lubango, se recusava a atirar a toalha ao chão, porque acreditava plenamente, que a conquista do segundo título consecutivo, ainda era possível.

É curioso que no top-3 aparecem três formações que vivem de fundos próprios, Recreativo do Libolo, Kabuscorp do Palanca e Benfica de Luanda, por ordem de classificação, que não fazem recurso a dinheiros de empresas ou organismos do Estado para sobreviverem, como acontece com alguns grandes do futebol nacional, casos do 1º de Agosto e Petro de Luanda e num outro ângulo, do Bravos do Maquis, que podem quedar-se, sem justificar em termos de classificação, os dinheiros que recebem e os investimentos que fizeram na temporada.

A definição estende-se também à cauda da tabela classificativa. União Sport do Uíge e Benfica do Lubango que festejaram efusivamente estar entre os grandes, choram agora a perda desse direito, por falta de pontos necessários para se manterem no principal campeonato do país, aliás, do mesmo modo que o 1º de Maio que acabou por não escapar à despromoção.Deste trio de despromovidos, o conjunto de Benguela era o que apresentava à partida um passado mais relevante, mas que de nada lhe valeu porque para no Girabola o que conta sempre, é o presente, o 1º de Maio parece que quer viver eternamente dos louros que conquistou em tempos idos, quando engalanou a sua galeria de troféus com as duas Taças do Girabola.

A última jornada do campeonato pode começar a ser já de reflexão para as 16 equipas, que vão marcar presença na prova. Uns, começarem já a pensar na nova época, principalmente, os que têm de defender o estatuto de eternos candidatos ao título, outros, como os três primeiros classificados porque têm compromissos nas competições africanas.De resto, o fim do Girabola marca sempre o início de uma reflexão generalizada das equipas. Umas satisfeitas com os objectivos alcançados, outras frustradas pelo fracasso que registaram

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »