Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tudo em aberto

14 de Abril, 2014
O BAI Basket, principal competição doméstica de basquetebol, encerrou sexta-feira passada a fase regular. A prova vai centrar a partir do próximo dia 22 do corrente as atenções nas quatro equipas que lutam pelo título.

Nesta empreitada estão, como já era de se esperar, as equipas que, em função da trajectória, mostram mais consistência competitiva. 1º de Agosto, campeão em título, Recreativo do Libolo, segundo classificado, Petro de Luanda, terceiro, e Interclube, quarto classificado e equipa sensação das últimas jornadas.

Com o sistema de todos contra todos a quatro voltas, adivinha-se um forte despique, entre as quatro formações que chegaram a esta etapa crucial da competição, em que o 1º de Agosto é o detentor do troféu.

Para esta empreitada, militares, libolenses, petrolíferos e polícias alinham-se, por essa ordem, com as mesmas possibilidades de chegarem no final como campeão nacional, em função do equilíbrio registado nas últimas jornadas da fase regular. Qualquer um deles aposta na concretização deste desiderato.

Como campeão e não obstante o desempenho irregular durante a primeira fase, o 1º de Agosto é, ainda assim, a equipa com mais possibilidades de chegar ao título e assim fazer a almejada revalidação. Com a responsabilidade de defender o prestígio alcançado o ano passado, os rubro-negros têm, porém, de superar alguns obstáculos que impediram que se apresentassem muito melhor na fase anterior.

Paulo Macedo e pupilos têm pela frente cerca de semana e meia para colocarem-se em dia e apresentarem-se “a matar" nesta fase decisiva em que já não serão admissíveis derrotas inesperadas.

O Recreativo do Libolo está a revelar-se num sério candidato ao título. Depois de ter sido campeão em 2012, seu primeiro título, pretende coleccionar muito mais conquistas. O novo timoneiro, Norberto Alves, tem se mostrado à altura do desafio e durante a fase regular conseguiu superar o principal candidato em mais de cinco ocasiões, números que falam por si.

A equipa do Cuanza Sul arrisca-se, caso consiga se recolocar ao nível inicial, a dificultar a pretensão dos militares e regressar às conquistas no BAI Basket.

Um outro destacado candidato é o Petro de Luanda que está sem levar o troféu à galeria do Eixo-Viário há dois anos. Após contratar o técnico Lazare Adingono, os petrolíferos procuram resgatar o tempo dourado em que comandaram o basquetebol angolano sob batuta do malogrado Wlademiro Romero. Adingono prometeu conquistar a Taça de Angola e o campeonato e chegou o momento de mostrar que o seu discurso não foi um mero show de propaganda.

Por fim, surge o Interclube. Equipa sensação das últimas jornadas da competição, entra para esta fase disposta a bater-se de igual com as demais equipas e mostrar que tem arcabouço para chegar ao título. Alberto Babo e seus rapazes provaram-no nos jogos diante do Libolo e do Petro, os quais venceu, e quase repetiram a dose frente ao 1º de Agosto. Portanto, está tudo em aberto.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »