Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Tudo ou nada

26 de Março, 2010
A Selecção Nacional tem amanhã, diante do Madagáscar, o seu segundo grande teste, depois do Campeonato Africano das Nações e do abandono do técnico Manuel José. Depois do empate a zero golos nos primeiros 90 minutos, outro resultado que não seja a vitória coloca os Palancas Negras fora do CHAN. Na segunda parte desta eliminatória, o apoio proveniente das bancadas vai ser determinante, até porque marcar é necessário, mas pode não ser suficiente.

Nos dias que correm, empatar fora, sem golos, é um resultado traiçoeiro. Obriga a vencer e condiciona a estratégia, na medida em que qualquer golo sofrido limita seriamente as possibilidades de apuramento. Fruto dessa realidade, espera-se uma tarde de bom futebol no 11 de Novembro. Zeca Amaral e jogadores sabem que, para manterem viva a esperança de continuar a sonhar com o Sudão, só a vitória interessa. Não importa os números.

O entusiasmo que se vive nas hostes do combinado nacional, a atravessarem um novo ciclo, é amanhã submetido a mais um teste de fogo, o segundo no espaço de 15 dias, diante de um adversário que, na primeira parte da eliminatória, em sua casa, deu provas das suas pretensões na prova. É diante deste adversário, o Madagáscar, que os Palancas Negras perseguem a sua continuidade na prova.

A ambição domina o balneário, onde nenhum outro pensamento que não seja a vitória, que dá acesso à próxima eliminatória, onde o adversário vai sair do desfecho Malawi-Moçambique (3-0, na primeira-mão), não entra nas contas. Mesmo com algumas limitações na tarefa de montar a equipa, como, por exemplo, a ausência de Mabiná, substituído por Zé Kalanga, Zeca Amaral multiplica-se em demonstrações de confiança, alicerçada no empate a zero golos nos primeiros 90 minutos, fruto das dificuldades colocadas por um adversário bastante voluntarioso, que dificultou ao máximo a tarefa dos angolanos.

Apesar de ter noção das dificuldades que a eliminatória encerra, o técnico sabe de antemão que só a vitória interessa ao "onze" nacional, que tem recursos bastantes para deixar pelo caminho os malgaches, também eles com responsabilidades e qualidades para vencerem a eliminatória. Um jogo a eliminar, com características de uma final, fica sempre dividido pela metade em termos de favoritismo.
Policarpo da Rosa

Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »