Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Um exemplo a seguir

18 de Abril, 2014
O internacional abandona o basquetebol, como atleta, aos 37 anos de idade, para se dedicar agora à causa do povo, nas vestes de deputado da Assembleia Nacional pelo partido maioritário, o MPLA.

O ex-capitão dos campeões africanos fez suar, pela última vez, a camisola do 1º de Agosto na primeira-mão da final da Taça de Angola, no confronto com o Petro de Luanda, equipa na qual começou a dar os primeiros passos como profissional.

O pavilhão Victorino Cunha esteve ontem ao rubro, com casa cheia, não só pelo jogo que opunha os arqui-rivais e maiores emblemas do basquetebol nacional, mas, sobretudo, porque a maior parte dos aficionados que lá acorreu queria prestar o merecido tributo a Carlos Almeida, na hora da despedida.

Apesar de antes do jogo ter referido que não estava na sua melhor forma, o ex- extremo-base deixou, uma vez mais, patente, no campo, os seus créditos, mostrando que é um atleta de alto gabarito e que vai deixar muitas saudades.

A homenagem que lhe foi prestada, no final da partida, pela direcção do clube que representou nos últimos 12 anos, apesar de simbólica, acabou por ser uma forma de reconhecimento ao contributo e profissionalismo sempre demonstrados pelo ex-capitão, que faz a sua retirada de cabeça erguida, convicto de que cumpriu o seu dever.

Carlos Almeida que com o jogo de ontem fez indirectamente também a sua despedida da Selecção Nacional, a qual ajudou a erguer sete dos 11 títulos africanos que o país ostenta, é agora um exemplo a seguir por outros atletas no activo.

O ex-extremo-base, de 1,93 metros de altura, foi sempre, durante os 25 anos dedicados à modalidade, um profissional dedicado e laborioso, humilde, inteligente, solidário e de um alto grau de relacionamento humano. Não obstante treinar e jogar nunca abdicou da sua formação académica, tendo conseguido uma licenciatura. Por estas e outras qualidades e por ser um militante activo no seu partido, mereceu a escolha e depois a eleição para deputado à Assembleia Nacional.

Carlos Almeida deixa o basquetebol, como atleta, mas estamos em crer que vai continuar a dar o seu contributo à causa da modalidade, ajudando a projectá-la cada vez mais no contexto africano e mundial.

O adeus do exímio atleta fica marcado pela sua extensa folha de serviço com vários títulos ao serviço do Petro de Luanda, do 1º de Agosto e da Selecção Nacional.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »