Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Um exemplo a seguir

18 de Abril, 2014
O internacional abandona o basquetebol, como atleta, aos 37 anos de idade, para se dedicar agora à causa do povo, nas vestes de deputado da Assembleia Nacional pelo partido maioritário, o MPLA.

O ex-capitão dos campeões africanos fez suar, pela última vez, a camisola do 1º de Agosto na primeira-mão da final da Taça de Angola, no confronto com o Petro de Luanda, equipa na qual começou a dar os primeiros passos como profissional.

O pavilhão Victorino Cunha esteve ontem ao rubro, com casa cheia, não só pelo jogo que opunha os arqui-rivais e maiores emblemas do basquetebol nacional, mas, sobretudo, porque a maior parte dos aficionados que lá acorreu queria prestar o merecido tributo a Carlos Almeida, na hora da despedida.

Apesar de antes do jogo ter referido que não estava na sua melhor forma, o ex- extremo-base deixou, uma vez mais, patente, no campo, os seus créditos, mostrando que é um atleta de alto gabarito e que vai deixar muitas saudades.

A homenagem que lhe foi prestada, no final da partida, pela direcção do clube que representou nos últimos 12 anos, apesar de simbólica, acabou por ser uma forma de reconhecimento ao contributo e profissionalismo sempre demonstrados pelo ex-capitão, que faz a sua retirada de cabeça erguida, convicto de que cumpriu o seu dever.

Carlos Almeida que com o jogo de ontem fez indirectamente também a sua despedida da Selecção Nacional, a qual ajudou a erguer sete dos 11 títulos africanos que o país ostenta, é agora um exemplo a seguir por outros atletas no activo.

O ex-extremo-base, de 1,93 metros de altura, foi sempre, durante os 25 anos dedicados à modalidade, um profissional dedicado e laborioso, humilde, inteligente, solidário e de um alto grau de relacionamento humano. Não obstante treinar e jogar nunca abdicou da sua formação académica, tendo conseguido uma licenciatura. Por estas e outras qualidades e por ser um militante activo no seu partido, mereceu a escolha e depois a eleição para deputado à Assembleia Nacional.

Carlos Almeida deixa o basquetebol, como atleta, mas estamos em crer que vai continuar a dar o seu contributo à causa da modalidade, ajudando a projectá-la cada vez mais no contexto africano e mundial.

O adeus do exímio atleta fica marcado pela sua extensa folha de serviço com vários títulos ao serviço do Petro de Luanda, do 1º de Agosto e da Selecção Nacional.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »