Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Uma nova era

27 de Novembro, 2017
A Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina terminou ontem, em Luanda, de forma positiva, a primeira etapa do torneio de qualificação para o Campeonato do Mundo que se disputará na China, em 2019. Com um saldo de três vitórias em igual número de jogos, o \"cinco\" nacional lidera o Grupo C, da zona africana.
Marrocos, Egipto e República Democrática do Congo apesar de terem dado luta a contrariar os intentos de Angola, tiveram de conformarem-se com a superioridade do basquetebol angolano, que procura estabilidade depois da presença
pouco conseguida no Afrobasket -2017, que decorreu em Agosto no Senegal e na Tunísia, onde não foi para além do modesto sétimo lugar.
Num torneio relâmpago que se disputou de 24 a 26 do corrente, no pavilhão Arena do Kilamba, a Selecção Nacional defrontou os três jogos sob comando do novo seleccionador nacional, o norte-americano William Voigts, contratado há pouco mais de uma semana. Apesar do pouco tempo de trabalho, foi possível notar outra atitude, embora, se verifique claramente ter muito trabalho pela frente.
E porque o importante na prova era vencer os jogos, de modo a garantir condições de classificação para o final da próxima fase, os resultados apertados alcançados diante de Marrocos, Egipto e RDC constituem factos para reflexão à posteriori. Aqui e agora, ressalta-se o sentido de oportunidade da Selecção Nacional, que a aproveitar o factor casa e o público, soube corresponder às expectativas.
Aliás, dez anos depois de jogar em território nacional, aquando do Afrobasket 2007 realizado no país, o \"cinco\" angolano não podia ter outro desempenho que lograr as pazes com os adeptos da modalidade, depois do fracasso na Tunísia que os deixaram quase de costas viradas.
O novo seleccionador nacional aproveitou os jogos para retirar as devidas ilações do grupo, projectar da melhor maneira as demais etapas do torneio de qualificação, à procura paulatinamente que os atletas se encaixem no seu \"modus operandi\" e reflictam em campo o ADN do seu basquetebol.
O torneio de Luanda deixou uma pequena amostra, como já se disse, mas será importante que a equipa técnica e os atletas, assim como os membros de direcção da Federação não se deixem embriagar pelo que aconteceu, como se fosse algo extraordinário. Apesar de invicta da prova, a Selecção Nacional não fez mais do que cumprir com a sua obrigação, ademais, a jogar em casa.
Com os olhos postos na China, a Selecção Nacional tudo tem de fazer, para que o objectivo seja alcançado e começar uma \"nova era\" sob batuta de Williams Voigts, que timidamente está a receber o voto de confiança da família do basquetebol.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »