Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Uma visita profcua

13 de Maio, 2017
Uma delegação do Comité Olímpico Internacional (COI) trabalhou até ontem no país, durante aproximadamente 24 horas, para avaliar o estado do desporto nacional e em particular ver que ajuda pode prestar a Angola para um melhor desempenho nos próximos Jogos Olímpicos, com destaque para os de 2020 a se disputarem no Japão.

Encabeçada pelo seu presidente, o dinamarquês Thomas Bach, a delegação integrou outros altos responsáveis daquele organismo e manteve encontros com o Vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente, o ministro da Juventude e Desportos, Albino da Conceição, além de reunir com a Comissão Executiva do Olímpico Angolano (COA).

A visita a Angola permitiu constatar o funcionamento do órgão olímpico nacional e auscultar as principais dificuldades que enfrentam as mais variadas instituições desportivas nacionais para beneficiarem de alguns apoios, quer do ponto de vista de orientação medotológica, quer eventuais apoios financeiros.

A visita, mais uma de um presidente do COI ao nosso país é só mais um sinal da referência de Angola no contexto desportivo olímpico, como fez questão de sublinhar a ex-nadadora olímpica Nádia Cruz, na véspera da vinda de tão ilustre visitante. \"Esta visita é um reconhecimento do trabalho que tem sido desenvolvido pelo Executivo na promoção e massificação do desporto nacional, visto que Angola muitas vezes vai aos campeonatos do mundo e a Jogos Olímpicos em representação do continente africano\".

O Executivo angolano tem feito um grande investimento no desporto e isso não passa despercebido perante as instituições do desporto mundial. Aliás, Thomas Bach também veio agradecer o empenho e apoio directo do Presidente da República no desenvolvimento do desporto em Angola.

Depois de erguer várias infra-estruturas modernas que acolheram competições africanas e mundiais, foram dados outros passos com a aprovação da nova Lei do Desporto e do Regime Jurídico das Associações Desportivas, só para citar estes exemplos, o que demonstra de modo claro a atenção que é dada a este fenómeno social, com consagração expressa na Constituição da República, como um direito reconhecido a todos os cidadãos nacionais.

O presidente do COI presenciou durante a presença em Angola a assinatura de um memorando que engaja o ministério angolano da Juventude e Desporto na execução dos projectos desenvolvidos pelo Comité Olímpico Angolano, o que acentua, pois, o interesse de Angola em melhorar cada vez mais a actividade desportiva nacional, não só na vertente da alta competição mas abrangendo também o desporto escolar e comunitário.

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »