Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Vamos Taa

11 de Novembro, 2016
Temos hoje uma sexta-feira de futebol em cheio. Referimo-nos ao futebol doméstico, aquele que se disputa dentro dos nossos limites fronteiriços, mas não do Girabola Zap, porque esta competição já arrumou, faz quase uma semana, a edição do presente ano, com a consagração do 1º de Agosto como campeão nacional, desferindo um golpe fatal a uma crise de títulos que perdurou uma década.

Vamos é nos deleitar com o futebol de outra prova, praticado por duas equipas militantes no campeonato nacional da primeira divisão, mas que desta vez se vão digladiar para a final da Taça de Angola, tida por alguns analistas como a competição de maior abrangência nacional.

A final da prova chama para a arena as equipas do Progresso do Sambizanga e do Recreativo do Libolo, depois de as eliminatórias anteriores se terem encarregado de deixar de fora o restante de concorrentes que se revelaram perdulários, se não permissivos, que não conseguiram manter a passada para atingir a final da competição.

Mas é assim em toda a competição. Uns avançam e outros ficam-se pelo caminho. E nem sempre os que ficam a meio da estrada sejam aquelas de menor expressão. Há gigantes que também tombam. Aliás, se se reparar para o gráfico de equipas que hoje procuram atingir afinal, veremos a ausência de formações notáveis, de topo do nosso futebol, bastando, para tanto, citar à guisa de exemplo, 1º de Agosto e Petro de Luanda.

Mas, presentes nesta final equipas de nomeada, que prometem fazer dela um verdadeiro pólo de atracção. Recreativo do Libolo e Progresso, estão ai, na procura do passe que vai levar à Taça da Confederação em 2017.

Por capricho do sorteio as duas têm algumas contas a saldar, tendo sido os sambilas a estragar a vida aos libolenses no Girabola, eles que lutavam pela revalidação do ceptro. Para os pupilos de João Paulo o jogo de logo mais será indubitavelmente de redenção. Pois, não passa por si que uma mesma equipa seja responsável pela sua desgraça no campeonato e na taça.

Com a saída de Angola do G-12, ou seja, do lote de países com direito à participação com quatro equipas nas Afrotaças, o que subtraiu algum valor ao segundo lugar do Girabola, relançou a disputa da Taça de Angola. Afinal, depois do título do campeonato nacional só mais a conquista da taça ajuda as equipas à salvação da época.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »