Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Vamos festa

20 de Setembro, 2013
Aqueles que acompanharam com algum “suspense” o processo de organização, incluindo a construção de dois pavilhões de grande magnitude arquitectónico, estão a ver que afinal nada é difícil quando há vontade de realização, fibra e determinação da parte dos homens.

Em consequência de bons resultados, no quadro das inspecções a que o programa esteve sujeito, os membros da comissão de organização ganharam corpo e fôlego, sentiram-se mais motivados e mais capazes de levar por diante o projecto de trazer pela primeira vez ao continente africano a maior competição de hóquei em patins à escala planetária.

Agora está dada a prova de que Angola é capaz. O clima de estabilidade que vive há 11 anos tem vindo a mostrar aquilo que seria hoje se desde a sua ascensão à independência, em 1975, não tivesse passado pelas diferentes etapas que passou, todas elas difíceis e propensas a inviabilizar a realização de projectos tendentes a engrandecer a sua imagem.

Agora, feito o essencial, é preciso trabalhar para as coisas correrem de feição durante os dias da competição, de modo que, a exemplo do que foi o Campeonato Africano das Nações em futebol, em 2010, possamos sair bem na fotografia, ou seja, obter no último dia da prova uma nota positiva em termos de organização. Afinal o mais difícil foi chegar até onde hoje nos encontramos.

Competitivamente estamos certos de que teremos um excelente torneio, não fosse o campeonato do mundo uma fase reservada apenas às melhores selecções, esperando-se por isso mesmo por escaldantes partidas de hóquei em patins e acima de tudo uma forte disputa entre as principais potências.

Angola entra para a competição com objectivos modestos, mas com meta traçada, que consiste na melhoria daquela que é, até hoje a sua melhor classificação de sempre.

Para tanto, um forte trabalho foi desenvolvido nos últimos meses, tendo sido notória a entrega de todos os convocados, particularidade que infunde confiança a todos os angolanos e eleva a ambição e a determinação para que se possam atingir os objectivos, sendo quase obrigação fazer-se boa figura em casa.

A extraordinária prestação no Torneio de Montreux e a conquista da Taça Zé Du foram um aviso claro às potências da modalidade. Angola acabou por dizer por a+b que tem hóquei adulto e que pode projectá-lo num futuro próximo a posições honrosas no ranking mundial da modalidade, desde que o trabalho desenvolvido não fique por aqui.

Aliás, a classificação obtida nestas provas constitui um incentivo para os agentes da modalidade irem investindo mais, apostando sobretudo numa bem concebida política de massificação e melhor acompanhamento dos escalões de formação.

Últimas Opinies

  • 24 de Agosto, 2019

    O amiguismo na resciso

    O assunto de momento no nosso futebol, convenhamos, é sem dúvidas o desenlace entre a Federação Angolana de Futebol (FAF) e o técnico Srdjan Vasiljevic, em face de algumas situações que vinham acontecendo e que originou que se estalasse o verniz.

    Ler mais »

  • 24 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os jogadores aguardaram isso dos dirigentes, para que a motivação crescesse

    Ler mais »

  • 24 de Agosto, 2019

    O sonho dos grupos

    Após as vitórias extramuros nas deslocações à Tanzânia e ao Lesotho, o 1º de Agosto e Petro têm, neste fim-de-semana, a oportunidade soberana de confirmarem a qualificação para última eliminatória de acesso a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Viemos a público para responder ou esclarecer o que aconteceu.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

Ver todas »