Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Verdadeira cavalgada

11 de Fevereiro, 2019
Com a vitória de sábado último, sobre o seu principal concorrente, podemos dizer que o 1º de Agosto deu uma boa cavalgada na sua ingente batalha pela revalidação do título. Na verdade, depois deste resultado, as matemáticas do “rubro-negro” ficam mais facilitadas ou isentas de complicadas equações.
É certo que o campeonato só vai a meio, restando ainda uma segunda volta que, em regra, tem muito que se lhe diga. Seja como for, os militares hão-de partir para esta fase mais folgados, ainda que existam, para além do Petro de Luanda, outras equipas que também lhe fazem alguma sombra concorrencial.
Em teoria, o principal concorrente é, sem dúvidas, o “arqui-rival” do Eixo-Viário, por razões sobejamente conhecidas. O Desportivo da Huila, que em abono da verdade vai sendo uma agradável surpresa, pode ter intenções, mas está longe de ser taxado como adversário a altura de fazer finca-pé ao campeão nacional.
Aliás, a segunda volta, que é uma espécie de subida íngreme, pode vir inverter as coisas para algumas equipas, sendo que os huilanos podem, quem sabe, descer alguns lugares na sua ordem classificativa. Podem, é uma condição. Pois, também podem manter o ritmo que vêm evidenciando até ao fim.
A empreitada ficou, realmente, mais complicada para os petrolíferos, para quem o objectivo é único, estando voltado para a conquista do título, na perspectiva de quebrar um jejum, que já vai a caminho de dez anos. Em caso de falhar a presente edição, o rival, caso seja ele a conquistar o título, estará mais próximo do seu recorde.
A diferença que antes era de 15 títulos contra nove, hoje está fixada em 15-12, o que expressa claramente o mau momento que vive o velho papão cá do sítio, uma situação que terá a sua explicação na redução orçamental, que já não permite à direcção fazer o mesmo investimento de outro tempo. Pelo menos é isso que se alega nas hostes do clube.
Mas vamos acreditar, que ainda há metade do campeonato para jogar, e tal como dissemos no começo, o 1º de Agosto apenas facilitou as matemáticas e o Petro complicou-as. Isto não significa que um seja já campeão e o outro tenha jogado a toalha ao tapete. Há muita disputa pela frente, e o Petro pode muito bem recuperar terreno e ir atrás do seu objectivo.
Será, de resto, uma questão de rever bem o que terá estado mal na primeira volta e acertar os detalhes, para um ataque mais eficaz e acertado na segunda volta. A equipa possui argumentos suficientes, para superar eventuais dificuldades que venha encontrar pela frente. Em termos de plantel tem bons valores individuais. É uma questão de saber gerir a crise e lá pode chegar...

Últimas Opinies

  • 18 de Novembro, 2019

    Palancas: mais "frangos" e "promessas de bacalhau"

    Paulo Gonçalves ainda não limou as arestas que sobressaem entre os vários sectores dos Palancas Negras.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Não podemos agarrar-nos ao que já passou.

    Ler mais »

  • 18 de Novembro, 2019

    Imposio de limites

    Apesar do atletismo ser das modalidades mais representativas do nosso mosaico desportivo não é menos verdade que a sua acção se faz sentir com maior impacto quando se chega a esta fase do ano, em que se coloca em funções a máquina organizadora da tradicional corrida de fim de ano, São Silvestre.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Haja resilincia mas com seriedade

    A campanha dos Palancas Negras rumo ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2021, que Camarões irá organizar, pode ser de todo ofuscada, se acreditarmos que Angola, o nosso País, tem valor real e imensa qualidade em termos futebolísticos, mas sobretudo não tem o essencial: organização e seriedade.

    Ler mais »

  • 16 de Novembro, 2019

    Palancas devem ser destemidos no Gabo

    No seu retorno a mais uma campanha para atingir a elite do futebol continental, Angola joga amanhã frente à congénere do Gabão em Franceville, uma cartada importantíssima rumo aos Camarões-2021, depois do dissabor que experimentou diante da Gâmbia.

    Ler mais »

Ver todas »