Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Vitria da esperana

04 de Outubro, 2018
A equipa principal de futebol do 1º de Agosto, continua a dar mostras de grande solidez nas Afrotaças e de que pode, efectivamente, fazer história na maior prova de clubes do continente. Depois de, nos quartos de final, ter eliminado o Todo Poderoso Mazembe do Congo-Democrático do Congo, no agregado das duas “mãos” com um empate nulo em Luanda e outro a um tento em Lumbumbashi, na terça-feira o conjunto obteve uma vitória suada de 1-0, no Estádio 11 de Novembro, sobre o Esperance de Tunis.
Foi, diga-se de passagem, uma vitória que premeia a entrega dos jogadores às ordens do sérvio Zoran Maki e que, de certo modo, dá fortes esperanças a equipa de se qualificar para a grande final da Liga dos Campeões Africanos, onde, seguramente, pôde enfrentar outra equipa do Magreb. Ainda que magro, o triunfo de 1-0 coloca o 1º de Agosto perto da materialização desse desiderato, o que acontecer seria algo inédito no seu historial e, quiçá, do futebol nacional.
Qualquer empate com golos ou até mesmo uma derrota tangencial - mas sublinhe-se desde que o campeão em título angolano consiga um tento -, coloca o conjunto na grande final da presente edição da “Champions League, onde, eventualmente, poderá cruzar com o Al Ahly do Egipto ou ES Sétif da Argélia. A equipa egípcia, por sinal a mais titulada do continente, mercê das oito taças conquistadas nesta prova, leva já uma vantagem sobre a argelina, fruto da vitória por 2-0 em casa, igualmente na terça-feira.
Porém, é importante também destacar que, no jogo de terça-feira, no 11 de Novembro, em Luanda, além de se poder queixar da atitude viril dos jogadores do Esperance de Tunis, o D\'Agosto teve, na actuação árbitro Ndiaye Maguete, outro grande obstáculo. O juiz senegalês parecia, de forma premeditada, inclinar o campo a favor da formação tunisina, pois mostrou-se permissivo em muitos dos lances que os jogadores do emblema militar sofriam faltas claras e merecedoras de advertência.
Numa das muitas acções de favorecer, tendencialmente, diga-se, a equipa do Magreb, Ndiaye Maguete puniu o guardião Tony Cabaça, do 1º de Agosto, com cartão amarelo, por protestar a sua condescendência num lance em que foi positivamente carregado por um dianteiro do Esperance na sua área de jurisdição. E mais ainda: permitiu que o avançado militar Geraldo fosse várias vezes maltratado pelos jogadores tunisinos, sem sequer fazer recurso a cartões. A grande excepção foi aos 92 minutos, quando expulsou Khalil Chamam, capitão da equipa tunisina, por acumulação de amarelos.
E dado o facto de as equipas da região do Magreb, serem muito matreiras no seu futebol, sobretudo quando actuam em casa, espera-se, contudo, que no jogo da segunda “mão”, dia 23 do corrente mês, em Tunis, a Confederação Africana de Futebol (CAF) indica um juiz que tenha, acima de tudo, uma atitude imparcial, para bem daquilo que é a festa do futebol e do próprio “fair-play”.
Caso contrário, isso pode colocar em cheque a campanha positiva do embaixador angolano nas Afrotaças. O D\'Agosto terá de provar, assim, a sua competência e que não chegou a esta fase da “Champions League” por mero acaso, mas sim pela atitude irrepreensível que demonstrou, quer na fase preliminar, como na de grupos e nos quartos de final desta maior prova a nível de clubes da CAF.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »