Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Vitria de Angola

15 de Outubro, 2016
A eleição de Pedro Godinho, presidente da Federação Angolana de Andebol, para o cargo de segundo vice-presidente da Confederação Africana de Andebol no congresso do organismo que decorreu em Malabo, acaba por constituir um grande ganho para o andebol nacional, e por via disso, para o próprio país.

Em termos desportivos, e de organização de eventos, Angola não tem de provar nada. Em feminino, a Selecção Nacional faz jus ao estatuto de equipa mais titulada no continente, e a que melhor referência deixa em competições internacionais, o exemplo mais recente foi a participação nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em que terminou com um honroso oitavo posto, além das brilhantes participações em Campeonatos do Mundo.

No capítulo de organização de competições africanas, e mesmo de outras, de índole mundial, Angola demonstra todo o poderio organizativo, e o próximo Campeonato Africano sénior feminino que país alberga em Novembro e Dezembro, será apenas o confirmar disso mesmo, com o país assolado por uma forte crise económica.

Diante destes cenários, ter alguém dentro do poder de decisão do órgão que rege o andebol no continente, há muito que se fazia sentir, porque Angola tem muitas e ricas experiências que devem ser passadas aos demais países do continente, que podem ajudar a desenvolver o andebol, em África.

No país, as etapas de crescimento da modalidade estão delineadas, com apostas fortes nos escalões de formação, principalmente, na classe feminina, em que temos clubes fortes como o 1º de Agosto, que neste momento é o grande "papão" do continente a nível do escalão mais alto, além do Petro de Luanda e do Progresso, apenas para citar estes na capital do país, e isso, tem reflexos positivos nos resultados das selecções nacionais.

Como homem do andebol, Pedro Godinho, sente-se como "peixe na água", num organismo que não lhe é estranho, dada a posição que ocupou como membro de uma das suas comissões, a de competições, e certamente, que tudo vai fazer para que a voz de Angola se faça ouvir, mais estridentemente.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »