Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Vozes e sugestes

14 de Fevereiro, 2014
Deixa, pois, de fazer sentido o ruído sobre este tema, talvez o mais badalado dos últimos tempos, sendo mais sensato deixar que quem de direito ou responsável por este passo se decida. Claro que a inclemência do tempo não deixa, para muitos, de ser uma preocupação, se não mesmo uma contrariedade

Mas aquilo a que se pretende dar aqui realce é a uma certa tendência de determinado segmento da nossa população desportiva para continuar a defender a indicação de um seleccionador angolano. Nos últimos dias, voltou a ganhar voz esta preferência. Muitos recorrem, inclusive, ao número de conquistas dos Palancas Negras ao longo dos anos.

Como os números não pecam, dão, na verdade, vantagem ao consulado de técnicos angolanos. De resto, considerando a presença no mundial de futebol de 2006 na Alemanha, a vitória no mundial de Sub-20 em 2001 na Etiópia, que qualificou para o mundial da Argentina do mesmo ano, assim como a final do CHAN'2011, como os maiores feitos que a história regista, não há como não considerar esta argumentação.Claro que não devemos elevar tão alto o nosso ego a ponto de fazer vista grossa àquilo que de bom também aconteceu na nossa selecção com técnicos estrangeiros. Não devemos esquecer-nos da primeira qualificação para um campeonato africano, algo concretizado em 1996 com o luso-caboverdiano Carlos Alhinho.

Mas, no cômputo geral, os feitos que embelezam a história dos Palancas Negras foram logrados com treinadores angolanos.

Oliveira Gonçalves e Lito Vidigal são, à guisa de exemplo, nomes que jamais passarão ao largo, quando razões óbvias nos levarem a escrever a história do nosso futebol a nível de selecções, porque conseguiram feitos de realce que não podem e nunca poderão ser subalternizados, a não ser que haja tendência da parte do homem em macular a verdade.

Isto, de facto, dá substância aos apelos daqueles que continuam a defender a indicação de um técnico nacional para a selecção. Aliás, pela lentidão a que se assiste neste processo, agora, mais do que nunca, começa a fazer sentido que o técnico seja angolano, já adaptado à nossa realidade e conhecedor do mercado do futebol angolano. Depois de se ter deixado passar o tempo, vá-se lá um dia saber por que razão, será um risco grande entregar a nau a um tripulante acabado de chegar de terras longínquas, alheio a todo o processo do nosso futebol. Os sinais, de facto, apontam para um nacional. Mas, o compasso de espera, demasiado demorado da FAF, pode levar-nos a pensar noutra coisa.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »