Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Yannick inaugura caminho

14 de Agosto, 2016
Há muito o país aspirava uma digna presença nesta competição. Aquela que reúne os melhores atletas do mundo. Não fazia por isso sentido a ausência da maior potência de África naqueles palcos.

No ano passado, todo país rezou para que o Carlos Morais pudesse chegar à NBA. Flanqueou as portas, mas estas não se abriram. Tal como foi com Gerson Monteiro. Outros tentaram igualmente a sorte, Muzadi e Olímpio Cipriano.

Todos ficaram pela intenção, não por culpa própria, obviamente. Porém, o país acabou de mãos abanadas. O mesmo é dizer que continuou sem qualquer representante na competição.

Na quinta-feira, pela informação avançada no site dos Toronto Raptors, o país rejubilou com a contratação do poste Yannick Moreira, cujos valores não foram divulgados em respeito à política do clube.

Pouco importa que tenha sido contratado por menos ou mais centenas de dólares. Ter um representante na prova é(era) imperioso. Quem domina a modalidade em todos os escalões num continente, tem obrigação de estar lá. Assim como acontece com o futebol, no basquetebol não podia ser diferente.

Todas as principais selecções de basquetebol estão representados, inclusive Brasil com três atletas. Argentina, França, Alemanha, para não falar dos países do Leste da Europa ou países que se desfizeram da URSS.

A Nigéria, país que nem sequer é a segunda equipa do continente, vai tendo vários representantes, tal como Senegal. Por maioria de razão, Angola tinha de estar lá. A ida de muitos angolanos para as universidades dos Estados Unidos tinha de dar algum fruto. E lá está Yannick Moreira, cujo acompanhamento pela imprensa merece os maiores destaques.

É necessário encher as páginas dos jornais, espaços noticiosos da rádio e televisão com e sobre a actuação de Yannick Moreira, todo o simbolismo que representa a sua presença na NBA. Além de que este acompanhamento pode ser motivado para o atleta, como servir igualmente de isco para os clubes da NBA, que tanta importância dão ao merchandising.

A chegada de Yannick Moreira pode servir de inspiração para outros atletas que espreitam a mesma oportunidade, Sílvio Sousa e Bruno Fernandes. Pode igualmente servir de "conselheiro", orientando os compatriotas. Ganha em última instância a Selecção Nacional, que tem o desafio de dois em dois anos discutir o título continental.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »