Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Zebras para domar...

21 de Março, 2019
A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.
Angola enfrenta a congénere do Botswana, em jogo referente a sexta e última jornada do Grupo I do apuramento a 32ª edição da grande montra do futebol continental e em que a conquista dos três pontos é tão indispensável, como se de pão para a boca se tratasse.
Pressionada pelo outro jogo do grupo, que coloca frente-a-frente, em Ouagadougou, as selecções do Burkina Faso e da Mauritânia, esta já qualificada, Angola está proibida de perder, sob pena de ver a sua sorte adiada uma vez mais num CAN.E tudo porque em caso de empate ou derrota, os Palancas Negras podem se ver ultrapassados na fila do agrupamento pelos Cavalos burkinabes, que se exibem ainda com a coroa de vice-campeões africanos.
Por isso mesmo, a conquista dos três pontos, neste jogo frente as Zebras, assume-se como crucial para os intentos do conjunto orientado por Srdjan Vasiljevic. Até porque com uma eventual vitória amanhã sobre os tswaneses, os angolanos assinalam o regresso à grande montra do futebol africano, depois de falharem às edições de 2015, na Guiné-Equatorial, e de 2017, no Gabão.
Para já, é uma tarefa que não se afigura fácil, para os comandados de Srdjan Vasiljevic, pois mesmo não tendo nada a perder e nem a ganhar nesse duelo da sexta ronda do Grupo I, os tswaneses não cederão os três pontos de bandeja.
Pelo contrário, mesmo estando na cauda da tabela de classificação, com um ponto, vão procurar jogar pela honra e prestígio, buscando a única vitória nesta caminhada de apuramento ao Egipto-2019, sobretudo por actuarem na condição de anfitriões.
Com um saldo de quatro vitórias e uma derrota, à frente de Angola, a Mauritânia, já qualificada, soma 12 pontos na liderança do grupo, contra nove da Selecção Nacional e sete do Burkina Faso, no 2º e 3º postos, respectivamente, e que discutem a outra vaga para o Egipto.
O Botswana está na cauda do grupo com apenas um ponto.
Os Palancas, sublinhe-se, estrearam-se na edição da Taça de África das Nações de 1996, organizada pela África do Sul. Além da presença neste CAN que a pátria Nelson Mandela acolheu, Angola participou ainda nas edições de 1998 (no Burkina Faso), 2006 (Egipto), 2008 (Ghana), 2010 (que o país organizou), 2012 (co-organizada pelo Gabão e Guiné Equatorial) e finalmente em 2013 (igualmente com palco na pátria sul-africana).
De resto, para inscreverem, pela oitava vez, o seu nome na grande montra do futebol continental, os Palancas têm a obrigação de domar amanhã as Zebras do Botswana, em Francistown, um palco que dista cerca de 400 quilómetros de Gaberone. A ver vamos!!!...


Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »