Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Cartas de Leitores

05 de Setembro, 2016
O mais importante foi não perder o jogo. O golo sofrido foi por desatenção da minha defesa, mas igualamos o jogo. Tivemos o domínio total do jogo, mas as realização das acções defensivas foram quase que ineficazes. Podemos dizer que a nossa equipa jogou bem, e por isso, o público não saiu daqui (Estádio 11 de Novembro) triste.
José kilamba , seleccionador nacional de futebol.

Tendo em conta aquilo que tem sido o equilíbrio no Girabola Zap de 2017, mais uma vez se adivinham jogos de extrema dificuldade para o ASA, nesse recomeço da prova, depois de três semanas de pausa. Partindo esse princípio, acho que essas partidas vão exigir mais concentração, disponibilidade e elevada motivação (...).
Corola, treinador do Atlético Sport Aviação.

Vamos ter de pegar naqueles pilotos que têm sobressaído, e tentar apoiá-los para que no próximo Campeonato Angolano de Velocidade, a província da Huíla tenha um piloto a disputar o título nacional. Então, daqui para frente, nós vamos ter de facto de repensar a nossa política de apoio.
Ramiro Barreira, primeiro vice-presidente da FADM.

Vamos ter de pegar naqueles pilotos que têm sobressaído, e tentar apoiá-los para que no próximo Campeonato Angolano de Velocidade, a província da Huíla tenha um piloto a disputar o título nacional. Então, daqui para frente, nós vamos ter de facto de repensar a nossa política de apoio.
Carlo Ancelotti , treinador do Bayern de Munique

A PERGUNTA DO DIA
A PARAGEM QUE O GIRABOLA REGISTOU PODE RETIRAR RITMO COMPETITIVO ÀS EQUIPAS?


Estou certo que sim. O nosso Girabola tem muitos desses problemas de paragens, e isso prejudica o desenvolvimento e a prestação dos jogadores, porque é um período em que muitas equipas relaxam e muitos distraem-se nas sentadas, perdem noites, etc. Quando retomam não estão na forma inicial. Vicente Silva, estudante.

Penso que o Girabola não devia observar nenhuma paragem. Faltam sete jornadas e interromper agora é falha. Os jogadores perdem ritmo competitivo e no reatamento da prova os problemas que já estavam patentes agravam-se. Isso, é desprestigiante para a competição. Garcia Lino, comerciante.

Estas paragens resultam sempre em canseiras no regresso. Muitas vezes, pensamos que é bom para que os jogadores para que possam descansar, mas é exactamente este repouso que retira o ritmo que já traziam. Uma competição como o Girabola devia ser disputado de forma directa, sem paragens. Rui João, funcionário privado.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »