Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

0`Placard no desatou

JORGE NETO - 17 de Fevereiro, 2020

Militares desperdiaram ontem dois pontos na caminhada rumo ao to almejado Penta

Fotografia: Agostinho Narciso | Edies Novembro

Impensável! Talvez seja essa a palavra que pode traduzir o que aconteceu ontem no estádio 11 de Novembro, com o empate nulo entre o líder do Girabola Zap, 1º de Agosto e o último classificado, Santa Rita de Cássia, num desafio onde o atrevimento e a resistência dos católicos foi coroada com um ponto na deslocação a capital do país.
Os militares desperdiçaram dois pontos que não estavam nas previsões de ninguém, pois o desnível e os objectivos dos dois conjuntos é abismal. O tropeço de ontem atrasou ainda mais a corrida para o tão almejado Penta.
  Os agostinos entraram a pressionar o adversário com o objectivo de marcar cedo, com Mabululu e Mongo a criaram as primeiras situações de perigo, mas a pontaria não estava afinada, pois a bola levava a direcção errada.
Na medida que o tempo passava os católicos acreditaram que podiam complicar à vida aos rubro e negros, e foram o que fizeram. Taparam bem os caminhos para a sua baliza, obrigando os avançados do 1º de Agosto a rematarem sem muito espaço e saiam rápido para o contra-ataque, importunando o último reduto defendido por Neblú.
Mesmo a jogar em casa do tetra-campeão nacional o Santa Rita de Cássia apresentou uma atitude ambiciosa, jogava de igual para igual, mostrando que queria vencer no estádio 11 de Novembro.
Na verdade, os católicos foram os que remataram com melhor enquadramento à baliza, situação que obrigava Neblú a ralhar sempre os colegas do sistema defensivo. Os visitantes estiveram muito próximos de inaugurar o marcador antes do intervalo, após uma falha do central Jó, que se estreou em casa, fazendo dupla com Dany Massunguna, mas a pronta intervenção do guarda-redes impediu o golo.
Os militares não conseguiram desbaratar a bem arrumada defesa dos forasteiros e bem podem agradecer a Neblú, que destacou-se entre os postes, por não irem para o intervalo em desvantagem no marcador, transmitindo sempre confiança aos seus colegas.
No reatamento era imperioso para os militares mudarem de atitude e Dragan Jovic mexeu na equipa com a saída de Paizo para a entrada de Natael. Depois da vitória no sábado do Petro de Luanda, aos agostinos só restava ganhar para alargar a vantagem na classificação, mas tinham de provar em campo essa pretensão e o favoritismo diante de um adversário super motivado.
O 1º de Agosto tinha consciência de que o tempo corria contra si e que era preciso marcar para acabar com a ansiedade e a confiança que a equipa do Santa Rita tinha em campo. Aos 69, os católicos reclamaram um penálti, mas sem efeito para o árbitro Nelson Milagre.
O técnico Dragan Jovic lançou toda a \"carne no assador\" para inaugurar o marcador, com as entradas de Lionel e Atouba, porém os visitantes mostraram uma forte resistência aos militares. Nem parecia que era um jogo de extremos entre o líder do campeonato contra o lanterna vermelha, daí o empate nulo até ao apito final.
O árbitro Nelson Milagre não teve influência no resultado, apesar dos católicos terem contestado a marcação de um penálti a seu favor. O juiz acompanhou de perto às jogadas e esteve em sintonia com os seus assistentes.