Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Agosto volta a empatar

Jorge Neto - 12 de Julho, 2018

Bicampeo nacional desperdiou a oportunidade de recuperar a liderana isolada

Fotografia: Vigas da Purificao | EDIES NOVEMBRO

O 1º de Agosto não ataca nem desata. Os bicampeão nacional desperdiçou a oportunidade de recuperar a liderança isolada do Girabola Zap, ao dividir pontos, com um nulo, ontem, na recepção ao Recreativo do Libolo, um resultado que volta a criar um mau clima entre os adeptos e o técnico militar.
A atravessar uma fase conturbada nesta segunda volta do campeonato os agostinos entraram com o objectivo de melhorar a sua prestação com o regresso às vitórias, e desde cedo mostraram que estavam dispostos a alterar o quadro.
A jogar em casa os rubro e negros contaram com pouco público nas bancadas de modos a empurrá-los para o triunfo, mas isso não os impediu de chamar a si a iniciativa do jogo e encurralar os libolenses no seu último reduto.
Apesar do domínio com a posse de bola os militares encontraram dificuldades em criar situações de perigo iminente, pois os remates de Ibukun e Melono, bastante interventivo no desafio, não incomodara  o guarda-redes Maguete.
O 1º de Agosto voltou a não contar com a presença de Geraldo, lesionado, e manteve Jacques, melhor marcador da equipa, e Mongo no banco de suplentes.
Do lado do Recreativo do Libolo Sidney e Magrão foram os mais inconformados no primeiro tempo, pois remataram com intenção, sempre sob a atenção de Tony Cabaça.
A ansiedade voltou a tomar conta dos militares, perdiam muitas bolas, denotando alguma desconcentração nos passes, uma situação aproveitada pelos libolenses que aos poucos acreditaram mais e faziam o seu futebol, mas sem marcar.
No reatamento apesar das alterações feitas por Zoran Maki, apostou nas entradas de Jacques e Guelor, a primeira oportunidade pertenceu aos pupilos de André Makanga, com Jaredi a permitir a mancha de Tony Cabaça, quando estava isolado.
Os adeptos dos bicampeões nacionais nas bancadas pediram a saída do técnico sérvio, em função dos maus resultados que a equipa acumulou nos últimos jogos, aliada a exibição pouco convincente diante dos libolenses.
As duas equipas despertaram no jogo, as jogadas chegavam ao último reduto do adversário com maior perigo, demonstrando a vontade de se adiantar no marcador, que teimava em permanecer em branco, apesar do esforço feito pelos jogadores.
Os militares tiveram uma grande contrariedade, a expulsão de Guelor aos 65´, que deixou a equipa em inferioridade numérica ainda com vinte e cinco minutos por jogar, quando estava numa fase ascendente. Porém, a entrada do avançado Razaq veio mostrar que a atitude ofensiva devia se manter para chegar ao golo, que apesar da vontade não foram capazes de conseguir por conta da fraca finalização. Os libolenses podiam ter conseguido a vitória se finalizassem as jogadas em que estiveram isolados diante de Tony Cabaça.

“Fomos prejudicados”

Zoran Maki - 1º de agosto
\"Primeiro gostaria de dar os parabéns aos meus jogadores porque fizeram tudo para ganhar o jogo, mas a arbitragem foi tendenciosa e fomos prejudicados. O árbitro explusou o noso jogador num lance casual, não é a primeira vez que somos prejudicados por esses erros. Acho que alguém devia ver isso, porque não podemos continuar com essa situação. Vamos continuar a lutar para atingirmos os nossos objectivos\".

“Faltou marcar
André Makanga - CR Libolo

”\"Antes deste jogo eu disse que viríamos com uma estratégia bem montada e as coisas correram bem. Estudamos bem a equipa do 1º de Agosto que não atravessa um bom momento, mas não viemos para jogar retraídos, apenas faltou marcar. Falhámos alguns golos, mesmos isolados, ainda assim os nossos jogadores foram bravos. Queremos sair da zona em que nos encontramos e vamos trabalhar para isso. Quanto aos golos falhados só falha quem está lá dentro, mas temos de melhorar\". 

 ARBITRAGEM
Apito desafinado 

A partir o minuto 65, quando expulsou Guelor, avançado do 1º de Agosto, de forma precipitada, o árbitro António Dungula manchou a sua actuação, acabando por tomar decisões no mínimo confusas, que não agradaram as duas equipas. O juiz que no primeiro tempo teve um desempenho abaixo da média, ano segundo tempo acabou por manchar por completo a sua actuação. Depois disso, teve dificuldades em segurar o jogo, pois evitou mostrar alguns cartões amarelos, perdendo parte da sua autoridade.

MELHOR EM CAMPO
Tony Cabaça deu segurança

O guarda-redes do 1º de Agosto foi um dos elos mais fortes da sua equipa, além de impedir o golo quando os libolenses já se preparavam para festejar, o\" keeper\" soube comandar os seus colegas, auxiliando com bastante autoridade o capitão Dani Massunguna. Tony Cabaça fez alguns defesas que salvaram os rubro e negros de sofrer o golo, mesmo quando encontrava somente pela frente um avançado da formação da Vila de Calulo. O experiente guarda-redes mostrou que atravessa um excelente estado de forma.