Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Agosto bate no velho clssico

J?lio Gaiano, em Benguela - 26 de Fevereiro, 2017

O 1 de Agosto mantm a tradio dos bons resultados nos jogos diante do 1 de Maio em Benguela.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O 1º de Agosto mantém a tradição dos bons resultados nos jogos diante do 1º de Maio em Benguela. Sem necessitar de aplicar-se ao fundo e com a partida sempre controlada, os militares cumpriram com êxito mais uma missão.

Vado (13’), Diogo (44’) e Mingo Bille (90’+4’) foram os responsáveis pelo triunfo dos rubro negro que jogaram a seu bel-prazer e marcaram os golos necessários para festejar o feito ante a desolação do adversário que só pode queixar-se da apatia como se apresentou em campo.

A iniciativa de jogo pertenceu sempre ao conjunto orientado por Dragan Jovic que fez jus a sua condição de favorito, tirando proveito da qualidade do seu plantel assumindo sempre as despesas da partida.

Os proletários acusaram uma certa falta de concentração no sector defensivo o que ditou os dois primeiros golos consentidos, enquanto os atacantes denotavam uma certa carência de ambição e criatividade. 

Na etapa complementar o 1º de Maio entrou mais espevitado, pressionou e forçou o 1º de Agosto a recuar as suas linhas, mas sempre com o jogo controlado.

Os proletários não só revelaram ingenuidade como pareceu um grupo desestruturado e inapto para a alta competição. Além de acusar a responsabilidade, a equipa parecia sem confiança e do banco a mensagem não fluía. O técnico limitava-se aos gritos e os atletas assustavam-se ainda mais. Foi triste para quem apostou naquela formação que parecia amadora. 

O 1º de Agosto tirou proveito da situação para fazer das suas. Somou os pontos que lhe competiam e, mais uma vez, deixou o 1º de Maio aos prantos. Tanto é que o técnico Hélder Teixeira teve de deixar o estádio, sob a escolta policial. O público responsabilizou-o pela derrota da equipa. Daí o clamor pela sua imediata substituição.
Júlio Gaiano, em Benguela