Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Agosto e Progresso colocam em dia velhas contas

Betumeleano Ferro - 13 de Dezembro, 2018

Militares e sambilas esto competitivos no incio do campeonato que faz disputar a sexta jornada

Fotografia: Jos Soares | Edies Novembro

As águas do dérbi 1º de Agosto - Progresso Sambizanga, amanhã às 17h30, no estádio 11 de Novembro, vão ser agitadas antes mesmo do apito soar, a bem da verdade, sempre foi assim desde que as duas equipas se defrontaram na final do célebre Torneio Ano da Agricultura, em 1978. De lá para cá, o fiel da balança pende sempre para os militares, tudo leva a crer que a tendência é para se manter, mas os sambilas também têm uma palavra a dizer, ainda mais agora em que estão com um começo promissor no campeonato.
O 1º de Agosto recebe o velho rival, sem conhecer o desempenho do principal rival, o Petro de Luanda, que viu adiado o jogo com o Sagrada Esperança, pelo facto de os tricolores cumprirem, amanhã, no Congo Democrático, mais uma jornada nas afrotaças. Com base nisso, o campeão vai fazer as contas para aquilo que pretende, uma vitória que é capaz de reforçar a liderança.
Ainda a precisar apagar todos os vestígios da eliminação nas afrotaças, o 1º de Agosto deu mostras de que sabe como sair numa situação de extrema pressão, então o Progresso que tenha cuidado, para não ajudar a pagar a factura alheia, com ou sem boa exibição, os militares estão no dérbi com um único objectivo: sair vivos, de preferência como líderes do campeonato.
O jogo passado com a Académica do Lobito, provou que ainda há feridas para cicatrizar, ainda bem que é assim porque vai exigir alma de campeão, para não permitir que o desenlace africano tenha consequências na competição interna.
É isso o que os militares querem a todo o custo evitar que aconteça, assim é fácil antever com que espírito o 1º de Agosto quer receber o Progresso, repetir a dose da ronda passada é o que vai servir de única motivação para os militares.
Ainda a tentar fazer esquecer a inesperada mudança no comando técnico, o Progresso Sambizanga ambiciona prolongar o seu estado de graça no campeonato, o dia seguinte provou que há vida depois de Hélder Teixeira.
O adversário desta tarde é diferente ainda mais porque é dos maiores carrascos, pelo que os sambilas têm mesmo de fazer pela vida para conseguir conter a raiva do 1º de Agosto. É verdade que até agora o Progresso está a justificar o nome, está competitivo e recomenda-se, nada do que acontecer no dérbi vai apagar as coisas boas já feitas, contudo, nada faz crer que os sambilas querem servir de cobaia para a reabilitação dos militares.
A desigualdade de forças deve fazer com que os sambilas respeitem os seus limites, tentar adoptar uma postura altiva de modo algum vai trazer coisas boas para quem com humildade tem conseguido levar a água ao seu moinho. É pois muito importante que o Progresso seja o mesmo das jornadas anteriores, não há necessidade de mudar de hábito por causa da visita ao campeão, perder a identidade só para satisfazer um mero capricho, imitar o 1º de Agosto, pode custar os olhos da cara aos sambilas.
Todos os prognósticos apontam para uma vitória fácil ou difícil do 1º de Agosto, há elementos suficientes para pensar dessa maneira, por conseguinte, quando o apito soar para o início da contenda vai ser o labor em campo que vai fazer o julgamento final. Uma coisa que parece certeza absoluta, é que os militares agora aprenderam de maneira dura que não vale a pena ser mandrião, é entrar competitivo, puxar os galões para colocar o adversário no seu devido lugar, melhor postura não há.
O Progresso sabe que este dérbi é daqueles em que de antemão o não perder fala sempre mais alto, por causa da estatística e outros itens mais que poderiam ser enumerados. Ainda assim, o pontito não pode servir de desculpa para adoptar uma postura bem defensiva porque deixar o 1º de Agosto se espalhar pelo relvado é meio caminho andado para a derrota.

Sambilas jogam de bolsos vazios

O Progresso Sambizanga preparou, de forma tímida, o jogo diante do 1º de Agosto, a ter lugar hoje ás 17h30,  no estádio 11 de Novembro, pontuável para a sexta jornada do Girabola Zap 2018/2019, devido a seis meses de salários em atraso. Apesar disso, o treinador Guilherme de Sousa "Matateu" assegurou, ontem, a este jornal, que equipa vai entrar em campo para contrariar os intentos do campeão nacional.
"Vai ser um jogo muito difícil, com 1º de Agosto, uma equipa que dispensa apresentações, campeão em título e líder da prova. Preparámos o jogo com objectivo de contrariar as intenções do adversário. Trabalhamos bem em todos os sectores, para que o adversário não consiga penetrar nas nossas linhas com facilidade e daí partirmos para aquilo que é o nosso objectivo: procurar o golo", disse.Garantiu ter uma equipa em condições e bastante motivada para este jogo, pois nesta altura todos eles querem fazer parte do mesmo.
"O moral da equipa é alto e os jogadores estão motivados para este jogo", frisou.Guilherme de Sousa garantiu que o plantel está bem do ponto de vista físico, ou seja, os jogadores estão sem problemas para defrontar os militares.
O Jornal do Desportos apurou de fonte do clube, que o presidente Paixão Júnior,  havia prometido aos jogadores o pagamento, na última segunda-feira, de um salário dos seis meses em atraso e mais um prémio de jogo, o que até ontem não aconteceu, tendo dilatado o prazo para esta tarde.
Em função disso, a rapaziada às ordens de Guilherme de Sousa "Matateu" decidiu cruzar os braços na segunda-feira, dia em que foi agendado o primeiro treino da semana, na Floresta da Ilha de Luanda.
Os jogadores voltaram ao trabalho apenas na tarde de terça-feira, no estádio dos Coqueiros, onde realizaram o seu primeiro treino da semana. Para o jogo desta tarde, os sambilas podem começar com o seguinte "onze": Titi;  Eliseu, Gui, Bugo e Lara; Celso, Megue, Medá e Maria Pia; Bernafa e Yano.
O clube sambila observa uma greve desde à passada terça-feira, pelo facto de os  treinadores das camadas de formação e outros funcionários de apoio do grémio estarem sem salários há 18 meses. Avelino Umba