Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Agosto joga desfalcado

Jorge Neto - 03 de Setembro, 2017

Agostinos tm misso facilitada mas precavidos de surpresas

Fotografia: Paulo Mulaza | Edies Novembro

Os militares pensam pôr os pés ao fundo no acelerador, para fugirem no marcador e evitar falsas esperanças aos “católicos” ou surpresas, nem que seja um empate no Estádio 4 de Janeiro, a partir das 15h00.

A estratégia de pressionar o Petro de Luanda resultou na liderança do campeonato, agora, é necessário que o 1º de Agosto prove ser capaz de levar a candeia acesa. Uma vitória que não importa seja sofrível no Estádio 4 de Janeiro, é uma boa amostra que os militares podem dar na determinação de revalidar o ceptro nacional.

A qualidade do plantel do 1º de Agosto chega e basta para ter a certeza de quem vai vencer, mas o que aconteceu há dias no Cunene pode servir de lição  ao líder do Girabola Zap. Ninguém nas hostes do campeão quer uma reedição do drama da Taça de Angola, mas para que não aconteça é importante que os militares entrem em campo com uma boa atitude competitiva.

O 1º de Agosto, às vezes, costuma ser intratável com os adversários modestos, um resultado gordo é capaz de satisfazer o ego rubro-negro, mas como no final a soma dá  3 pontos, os adeptos até vão se sentir compensados, mesmo com uma vitória magra e suada.

A liderança vai continuar nas mãos do 1º de Agosto, não importa o que possa acontecer  ao Santa Rita de Cássia, porém, há poucos motivos para acreditar que os militares regressem a Luanda cabisbaixos, por desperdiçar pontos preciosos, contra um condenado a descer de divisão.

Os “católicos” sabem que estão sob a mira militar, mas só precisam de entrar em campo sem pensar em “milagres”, porque empatar ou ganhar ao 1º de Agosto é algo extraordinário, mas não sobrenatural. Não importa que estratégia a utilizar, o mais importante é que o Santa Rita seja inabalável durante os 90 minutos, para não morrer na praia.

Por mais vontade que tenha, a equipa dos “católicos” tem de ser humilde e reconhecer que não tem um ascendente em campo, excepto se o 1º de Agosto tiver um dia para esquecer. Sem armas para responder da mesma maneira, os “católicos” podem alimentar-se por vezes das tentativas de inclinação do relvado pelos militares no relvado do Estádio 4 de Janeiro.


DUELO NO 4 DE JANEIRO
Campeão sem Geraldo
nem Mingo Bile


A equipa do 1º de Agosto reconhece que só um resultado é satisfatório no final do jogo desta tarde às 15h30, no Estádio 4 de Janeiro diante do Santa Rita de Cássia, por isso, está consciente da responsabilidade e da importância em conquistar os três pontos, embora não conte com os influentes Geraldo e Mingo Bile.

A jogar  com o conhecimento do resultado do rival Petro de Luanda, os agostinos sabem que devem ganhar o desafio para cimentar a liderança do Girabola Zap, mesmo com as adversidades que preveêm enfrentar em casa do adversário.

A formação orientada pelo técnico Dragan Jovic chegou ontem de manhã à cidade do Uíge, mas não realizou o treino de reconhecimento ao relvado do Estádio 4 de Janeiro como previa Dragan Jovic, pelo facto das autoridades desportivas locais não permitirem.

Os militares voltam a estar desfalcados dos influentes Mingo Bile e Geraldo, que ainda recuperaram das lesões, limitando assim as opções da equipa técnica para este desafio, apesar de terem à disposição um plantel capaz de substituir as ausências.

Esta época, os agostinos que já perderam pontos fora de casa com adversários mais modestos,  afastam qualquer possibilidade de isso voltar a acontecer, sob pena de complicarem as contas na corrida para a revalidação do título de campeão nacional.

No jogo passado, o médio nigeriano Ibukun apareceu em forma, rubricou uma boa exibição e quer repetir a proeza para contribuir para que a sua equipa seja a vencedora. No ataque, o melhor marcador equipa, o cabo-verdiano Rambé, com 10 golos, é uma seta apontada para a baliza dos “católicos” que têm uma defesa permissível.

Os líderes do Girabola Zap sabem que vão ter um adversário que nada tem a temer, em função da última posição que ocupa na tabela geral de classificação, e por isso, precisam urgentemente de pontos para manterem acesa a esperança de fugir da \"lanterna vermelha\", e continuar na mais alta roda do futebol angolano.

O técnico da formação adversária, Hélder Teixeira, já revelou a fórmula a utilizar hoje frente ao 1º de Agosto, baseada num sistema defensivo seguro, com as linhas recuadas e jogar no contra-ataque para aproveitar os erros que eventualmente os agostinos possam cometer. Atento, seguramente, o técnico Dragan Jovic vai acautelar esta situação para contrariar os intentos da formação da casa.