Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1º de Agosto precisa de dezassete pontos para revalidar título

Jorge Neto - 14 de Setembro, 2017

Actual líder do campeonato depende de si próprio para manter o título

Fotografia: M.Machangongo | Edições Novembro

Quando faltam seis jogos para o final do Girabola Zap, a equipa do 1º de Agosto faz contas, e precisa de 17 pontos na bagagem para revalidar a conquista do título de campeão nacional. O actual líder do campeonato, com 54 pontos, depende de si próprio para manter a posse do título, conquistado no ano passado, pois, dos 18 pontos possíveis em seis jornadas, necessita de 17, sem pensar numa eventual escorregadela dos petrolíferos, e vice-versa.

O golo do defesa central congolês democrático Bobó, pode ser determinante nos cálculos do conjunto orientado pelo bósnio Dragan Jovic, pois, tem de vencer os seis adversários a defrontar (totaliza 72 pontos) e ainda pode desperdiçar  um ponto em relação ao mais directo perseguidor (soma 71, o máximo que os tricolores podem atingir).

A vitória de domingo no Estádio 11 de Novembro, colocou os agostinos numa posição vantajosa, deixaram a segunda posição que ocupavam, para assumirem  a liderança da competição a seu favor têm  o facto de nos confrontos entre si, registarem uma vitória e logrado o empate nulo na primeira volta em casa do adversário.

Tal como referiu o médio defensivo, Manucho Dinis, um dos capitães da equipa, o clássico era decisivo, pois no momento das contas finais beneficia o vencedor dos jogos entre si, como sucedeu na época de 2015, quando perderam o campeonato ao finalizar  os mesmos 60 pontos com o Recreativo do Libolo. O cenário actual coloca os agostinos em boa posição, ou seja, sagram-se campeões, caso terminem o Girabola Zap com os mesmos pontos que o Petro de Luanda.

Um ponto os separa (54-53),  os militares têm ainda uma margem mínima de erro, podem desperdiçar  um ponto, caso as duas equipas mantenham o embalo na corrida pelo título.Os rubro - negros vão discutir a revalidação do título em Luanda, visitam o Progresso do Sambizanga, recebem o Recreativo do Libolo, deslocam-se ao encontro do Interclube, recepcionam o Progresso da Lunda - Sul, visitam o ASA, e terminam o campeonato  diante do Kabuscorp do Palanca.Apesar de decidirem o título, na capital do país, os líderes da prova não  garantem que os 17 pontos, pelo menos, estejam no "papo", dado o valor e as ambições dos adversários com quem defrontam na caminhada, pelo contrário, prevê-se muito difícil.

BALIZA
Tony Cabaça regressa depois de longa ausência

O guarda-redes Tony Cabaça regressou à baliza do 1º de Agosto, no clássico de domingo, após 13 jogos ausentes, contribuiu para o triunfo da sua equipa diante do rival Petro de Luanda, e da liderança na classificação do Girabola Zap.  Foi preciso longo período, para o experiente guarda-redes  retornar à baliza agostina, e pode repetir a titularidade no domingo às 17h00 no Estádio dos Coqueiros, no confronto com o Progresso do Sambizanga, referente à  25ª jornada, curiosamente o mesmo adversário quando Tony Cabaça se lesionou na face, em sequência de um choque com um avançado sambila.

O jogo contava então para a 10ª jornada, no Estádio 11 de Novembro, na altura os militares golearam por 4-0, Rambé (dois golos), Buá e Geraldo. A lesão de Tony Cabaça aconteceu nos minutos finais,  o guarda-redes recebeu  assistência no relvado, por alguns minutos,  mas terminou o desafio entre os postes. Daí em diante,  atravessou um longo período de recuperação, esteve a treinar com uma máscara de protecção.

A aposta da equipa técnica agostina, quanto ao regresso de Tony Cabaça, em substituição de Nuno que era até então o titular, no clássico com o Petro de Luanda surtiu os efeitos desejados, pois o experiente guarda-redes manteve inviolável as redes à sua guarda,  como fez na primeira volta, no empate nulo.O jogador que já representou o Desportivo da Huíla,  iniciou a época na condição de titular e perdeu a posição por conta da lesão na face. Durante a sua ausência,  passaram pela baliza militar, três guarda-redes, Julião, Nuno e Dominique, que rescindiu o contrato de forma amigável com os campeões nacionais.