Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Agosto recebe Ferrovia do Huambo

Paulo Caculo - 19 de Setembro, 2019

Militares buscam a terceira vitria na recepo ao caloiro Ferrovia

Fotografia: Agostinho Narciso | Edies Novembro

A quarta jornada do Girabola Zap encerra esta tarde, às 16h00, no Estádio 11 de Novembro, com o 1º de Agosto a receber o Ferrovia do Huambo, num jogo em que recai sobre a formação militar todo favoritismo, mas terá de provar em campo, pois não existem vencedores antecipados.
Com um plantel a todos os níveis superior e com maiores ambições na competição, aliada a experiência dos seus atletas, os rubro negro dependem apenas de si para fazerem jus ao seu estatuto, mas sem desprezar o adversário, para não terem desgostos no final da partida. 
Ainda assim, não serão favas contadas. Apesar de se reconhecer o potencial dos campeões nacionais e a qualidade do seu plantel, os jogos a prior fáceis tornam-se por vezes mais complicados, para a equipas consideradas favoritas.
Depois da derrota diante do Progresso, resultado que serviu para alertar a equipa orientada por Dragan Jovic que não eram imbatíveis, o 1º de Agosto passou a encarar os opositores com outra postura e, de certeza esqueceram o excelente percurso, sem nenhuma derrota na época passada.
Com  maiores argumentos, candidato e campeão em título, os militares terão de justificar o seu poderio em campo, provando que o facto de serem do mesmo campeonato, a diferença que existe em termos de objectivos confere-lhe a obrigação de chamar a si o triunfo.
Sem qualquer pressão e ciente do potencial do adversário, o Ferrovia sabe que não pode e nem tem argumento para encarar o jogo pelo jogo. Perder não será de todo um resultado frustrante, mas uma goleada pode afectar o estado emocional dos atletas.
A humildade e o reconhecimento em saberem que não podem entrar em campo de peito aberto, coloca a equipa orientada por João Pintar, não numa posição subalterna, mas consciente do grau de dificuldade que vão encontrar, para lograr um bom resultado.  
Com duas derrotas e um empate, a equipa do Huambo ocupa a penúltima posição e sabe que a perca sucessiva de pontos, pode ser fatal para os objectivos que perseguem. De resto, como sonhar não é proibido, a possibilidade de surpreender os donos de casa não está posta de parte.
Contudo, não se antevê um jogo em que o 1º de Agosto faça das suas em campo, não obstante possuir potencialidades para tal. O Ferrovia, com as suas limitações, não vai discutir a posse de bola e as oportunidades para visar a baliza contrária em pé de igualdade, mas vai de certeza jogar no erro do adversário, com raça e profissionalismo, imbuída do espírito de luta pela dignidade.

MOTIVAÇÃO
Ivo Traça assume discurso de triunfo


O campeão nacional está ciente da obrigação de jogar bem e vencer o jogo, de formas a justificar todo o favoritismo que lhe é atribuído no desafio. A garantia é avançada por Ivo Raimundo Traça, treinador adjunto do 1.º de Agosto.
O porta-voz da equipa técnica dos rubro e negro garantiu que atravessam excelentes níveis de motivação, como consequência dos últimos resultados muito bem conseguidos na competição interna e na prova africana de clubes.
“Não temos outra alternativa a não ser esta. Um clube com a dimensão do nosso, tem de pensar sempre em altos voos. Estamos com um grupo bastante motivado”, assegurou o antigo capitão do 1.º de Agosto.
Apesar de reconhecer que, diante do Ferrovia, é o principal favorito a alcançar o triunfo, Ivo Traça admite que não será um jogo fácil, sobretudo, a julgar pela actual situação que enfrenta o adversário, que vem apenas de resultados negativos.
“Vamos jogar diante de uma equipa sedenta de pontos. Ainda não ganhou na competição. Jogaremos em casa e temos de assumir as nossas responsabilidades, que passam por jogar bem e conquistar os três pontos. Estamos em todos os jogos com este propósito”, sustentou o treinador adjunto dos militares.

ONZE PROVÁVEL
Não se vislumbram alterações ao onze do 1.º de Agosto, para a recepção ao Ferrovia do Huambo. Dragan Jovic deverá voltar a apostar no mesmo grupo de jogadores responsáveis pelo sucesso da equipa nos desafios anteriores.
Em face disso, salvo mexidas de última hora, os campeões podem actuar com Toni Cabaça à baliza; Isaac, Massunguna, Bobó e Paizo, na defesa; Macaia, Kila, Atouba, Ary Papel e Zito Luvumbo, no meio-campo; e Mabululo, no ataque.