Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Agosto volta a marcar passo

Jorge Neto - 18 de Junho, 2018

Avanados do 1 de Agosto encontraram dificuldades para transpor os defesas dos visitantes

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

Num desafio onde os falhanços do 1º de Agosto foram a tónica dominante o resultado não podia ser outro senão o empate nulo, diante do 1º de Maio de Benguela, que conseguiu levar um precioso ponto da bagagem dos bicampeões nacionais, continua sem vencer na segunda volta do campeonato.
Os proletários vieram ontem com a lição bem estudada, e tal como se previa, travaram os intentos dos militares de marcar cedo. Souberam defender os avançados do 1º de Agosto, mormente o seu trio formado por Fofó, Geraldo e Jacques, que encontraram dificuldades para transpor os defesas dos visitantes.
O 1º de Maio não aceitou de animo leve o domínio dos bicampeões nacionais e atacou sempre que tiveram oportunidade, apesar de importunarem raras vezes Tony Cabaça. Porém, conseguiram criar ansiedade aos pupilos de Zoran Maki, que despertaram a passagem da meia hora de jogo, onde podiam ter marcado em duas ocasiões, por intermédio de Mongo, cabeceou ao lado, e Geraldo, rematou na direcção errada.
Paizo esteve bastante interventivo do lado esquerdo e fez cruzamentos constantes para os seus colegas na área, que não souberam aproveitar, em função do fraco poder de finalização que tomou conta dos avançados agostinos.
Faltava imprimir maior rapidez ao ataque rubro e negro para apanhar em contra-mão a defensiva dos proletários, cujos jogadores caiam constantemente na relva, de forma a queimar algum tempo.
No reatamento, Dragan Jovic não perdeu tempo e operou duas substituições de uma só sentada com as saídas de Ibukun e Fofó para as entradas de Gogoró e Buá, respectivamente. De facto, esses jogadores trouxeram outra dinâmica as acções ofensivas do conjunto agostino.
O \"cheiro de golo\" voltou a rondar a baliza de Richarde, mas a cabeçada de Dani Massunguna \"beijou\" o poste, afastando o perigo. Nesta altura, já tornou-se mais interventivo, até rematou de bicicleta, mas a bola levou uma direcção indesejada.
Dragan Jovic mantinha-se inconformado e fez a sua última aposta lançando Razaq para o lugar de Mongo, aumentando as opções no ataque. Do lado oposto, a concentração defensiva foi o ponto mais forte e exploravam o contra-ataque. O jogo tomou apenas uma direcção, pois os militares assumiram as rédeas do desafio e voltara a cheirar  o golo aos 75´, em duas ocasiões, quando o guarda-redes Richarde largou a bola e Gogoró rematou ao poste, na sequência Jacques cabeceou, mas a surgiu um defesa na linha do golo a afastar o perigo.
O tempo escasseava e aumentava a ansiedade dos bicampeões nacionais, que procuravam impedir o segundo empate consecutivo nesta segunda volta do Girabola Zap, onde ainda não venceram, seguindo os passos do segundo classificado. 
O árbitro Chitano Francisco não teve nenhuma influência no resultado final, embora tenha sido levado ao erro pelos seus assistentes em alguns ajuizamentos de fora-de-jogos inexistentes para as duas equipas.


OPINIÃO DOS TÉCNICOS

1º de Agosto Zoran Maki
“Temos de melhorar  a nossa finalização”

 “Tivemos muitas dificuldades para marcar o golo. Mandamos muitas bolas ao poste, quando se cria oportunidades e não se marca, dificilmente ganha-se o jogo. Ainda assim mantivemos a diferença de quatro pontos sobre o segundo classificado”.


1º de Maio
Agostinho Tramagal
\"O empate sabe bem\"

\"O empate diante do 1º de Agosto sabe sempre bem, quando se trata de um adversário como este, uma equipa que luta pelo título, está a liderar o campeonato. A nossa equipa continua a ganhar aquilo que queremos, que é ter consistência e é sempre bom. Nós queríamos mais, não foi possível.”