Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1º de Maio 1-3 1º de Agosto

09 de Outubro, 2016

1º de Agosto regressa de Benguela com a cabeça erguida para continuar a lutar pelo título

Fotografia: Kindala Manuel

O sonho da permanência do 1º de Maio de Benguela no GirabolaZap2016 está cada vez complicado. A derrota sofrida, ontem, para o 1º de Agosto, por 1 a 3, deu tudo a perder, numa partida em que a actuação da equipa de arbitragem, liderada por Paulo Sérgio, deixou muito a desejar. O público deixou o estádio municipal Edelfride Palhares da Costa “Miau” defraudado. Muita gente chorou e a festa terminou num pranto.

Os proletários até entraram bem no jogo e dominaram os primeiros quinze minutos da contenda. Porém, a falta de objectividade associada à imaturidade que revelaram acabou por resvalar numa hecatombe. Os militares revelaram-se maduros, ante a “malandrice” da rapaziada treinada pelo professor Hélder Mário Teixeira. Sacudiram a pressão e subiram as linhas e no minuto 19 inauguraram o placard por intermedio de Gelson.

O golo mexeu com a estrutura do 1º de Maio que, entrou em desespero total. Passou a jogar mais com o coração que com a cabeça. Deixou de atacar e o 1º de Agosto relaxou. O jogo arrastou-se, nessa monotonia, até ao fim dos primeiros 45 minutos.

Na segunda metade do encontro é que foram elas.

O 1º de Maio entrou a matar e disposto a inverter o curso dos acontecimentos. Aos 56 minutos restabeleceu a igualdade, num golo de belo efeito rubricado por Maria Pia, aproveitando o deslize dos centrais da formação militar, que, diga-se de passagem, revelaram-se pesados e faltosos em demasia. Não terminaram amarelados porque manifesta falta de rigor juiz da contenda.

O segundo golo do 1º de Agosto foi prova disso mesmo. Para muitos, o árbitro falhou na indicação da grande penalidade a castigar bola à mão de Edson na grande área. O público protestou e resultado não poderia ser diferente, senão a pouca vergonha que se assistiu até ao final do apito.

Com a categoria que se lhe impunha, Geraldo executou o penalti, no minuto 70 e Ary Papel, no minuto 85, sentenciou a partida que, até tinha tudo para terminar numa festa da bola.

Com esta derrota, o 1º de Maio de Benguela vê complicada a sua situação na prova, estando agora a sua manutenção no GirabolaZap a depender de terceiro. Está mal, e que azar de quem apostou tudo e confiar na competência daquele árbitro ligado à Associação Provincial do Moxico. Estragou o espectáculo. E aborreceu muita gente acabou chateado. A polícia foi obrigada a intervir para aplacar os ânimos exaltados após o suar do apito final. Foi duro!


MELHOR EM CAMPO
Jumisse mandou


Jumisse foi o grande patrão do meio campo agostino. Revelou-se num verdadeiro trinco. Numa altura em que os proletários se assenhoraram no jogo, o internacional moçambicano, teve a calma suficiente e anulou todas as investidas do adversário. E como senão bastasse, aparecia com frequência no ataque, inclusive partiu dos seus esforços (pés) o primeiro golo do 1º de Agosto. Um verdadeiro patrão. O comandante no meio campo agostino.


EXPECTANTE
Desportivo desce
até ao Menongue


O Desportivo da Huíla, que está abaixo dos dez primeiros lugares na classificaçlão, apostou, até ontem, na busca de soluções para os processos ofensivos e defensivos com o objectivo de dotar-se de virtudes no capítulo da finalização, defesa e fluidez das transições e entrosamento necessário para  vencer hoje, em Menongue, o 4 de Abril do Cuando Cubango, em jogo válido para a 26ª jornada do Girabola Zap 2016.

Há vinte de seis jornadas, a competir, a equipa só está na décima terceira posição, de modo que trabalhou com empenho e devoção para lograr os três pontos em mdisputa e subir mais alguns "degraus".

A prática reiterada e constante de acções viradas para o aperfeiçoamento das transições e movimentações ofensivas e defensivas com realce para os médios e a concentração defensiva para imprimir solidez no sector recuado preencheram o plano de preparação dos comandados de Ivo Traça no relvado da Nossa Senhora do Monte.

Com o grupo recomposto, o Desportivo, que já chegou a liderar a prova em algumas jornadas, ocupa uma posição aflita e tem de evitar despromoção pelo que, a obrigatoriedade de vencer hoje constitui um imperativo nas hostes dos comandados de Ivo Traça.