Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Maio empata com Kabuscorp

Jlio Gaiano - 30 de Abril, 2018

Fotografia: Edies Novembro

Em véspera do 1º de Maio, que se comemora amanhã, os proletários de Benguela perderam ontem uma soberana oportunidade de conquistarem mais três pontos em casa, ante um Kabuscorp que vinha embalado de três vitórias consecutivas. Num jogo bem disputado, o resultado é justo, pois, a equipa da Rua Domingos Ò tem apenas de queixar-se de si mesmo ao consentir no último minuto de compensação. Mérito para os palanquinos que sempre acreditaram no empate.

A equipa da casa adiantou-se no marcador logo aos 6\' por intermédio de Dilma, aproveitando a falha dos centrais Emelson e Libero que desentenderam-se na grande área.

O golo do 1º de Maio de Benguela espevitou a acção do adversário que reagiu de forma enérgica. Assumiu o jogo e passou ao contra-ataque contínuo, ante a aflição dos comandados de Agostinho Tramagal.

Ante a atitude dos palanquinos os proletários remeteram-se à defesa, contrapondo as acções ofensivas dos visitantes que, diga-se de passagem protagonizaram autênticos \"massacre\" aos anfitriões. Aos 80\' o árbitro esteve bem ao anular o golo marcado por Quinho.

O esforço dos comandados de Sérgio Traguil foi compensado com o golo de Tombe, que aproveitou bem o passe de Calero para desferir o golpe final aos 90+6. O empate gerou uma certa confusão a partir das bancadas, com os adeptos a insurgirem-se contra o árbitro, acusando-o como o responsável pelo empate.

 A actuação do trio de arbitragem liderada por Mauro de Oliveira roçou à irregularidade. Manifestou alguma tendência proteccionista a favor do Kabuscorp do Palanca, facto que enervou os atletas e o banco dos proletários. O árbitro deixou o estádio sob escolta dos agentes da Polícia Nacional