Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1º de Maio pronto para o Girabola

J?lio Gaiano, Benguela - 04 de Fevereiro, 2017

Auxílio Muhongo, considerou mais-valia a equipa manter-se na primeira divisão nacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

A direcção arquitecta a auto - sustentabilidade para o clube. Reduzir a dependência financeira é o desafio da actual direcção, confinada na rua Domingos do Ó.  “Seria uma injustiça se ficássemos  fora do Girabola Zap, nesta temporada. Somos uma direcção jovem e com fortes ambições para o futebol de alta competição. O nosso projecto é estável, e garante sustentabilidade para o futebol nacional”, vangloriou-se.

O vice-presidente dos proletários assegurou que a direcção está em condições de proceder às inscrições do plantel na FAF, e atacar as duas competições esta época. “Independentemente do que aconteceu, os trabalhos continuam como se estivéssemos a preparar para o Girabola. A equipa técnica, médica e os atletas continuaram ligados na labuta”, precisou.

Auxílio Muhongo assegurou aos sócios, adeptos e simpatizantes do clube, que a situação financeira para a equipa sénior participar na prova está acautelada, pelo que devem estar descansados sobre essa matéria. “Já fizemos a prova de garantia desses valores junto da FAF. Estamos livres e o processo está facilitado”, revelou.

O dirigente proletário acrescentou, que de momento, as atenções estão viradas para a organização dos processos individuais dos jogadores que vão formar o plantel, para competir ao mais alto nível. Um grupo de avanço foi despachado para a cidade capital, para dentre outros aspectos, tratar de assuntos atinentes ao processo.

“Com a ajuda do técnico, a direcção recrutou no mercado interno alguns jogadores dispensados de outras agremiações, para colmatar o vazio deixado por aqueles que nos deixaram e seguiram para outros clubes. Vai ser preciso legalizá-los, e integra-los no plantel, que acredito não passem dos 25 atletas, a contar com alguns em idade de juniores”, pontualizou.

De recordar, que depois do Benfica de Luanda oficializar junto da Federação Angolana de Futebol a sua desistência, no Girabola Zap2017, a FAF entendeu organizar um torneiro de competência (Liguilha), com a participação das três equipas despromovidas do Girabola Zap 2016 (4 de Abril, 1º de Maio e Porcelana) e duas das aspirantes à primeira divisão de 2017 (Sporting de Cabinda e Domant FC).

O elenco liderado por Wilson Fernando Faria foi o único que respondeu favoravelmente à iniciativa da Federação, enquanto os de mais declinaram o convite, por dificuldades financeiras, e deixaram o caminho livre para os encarnados da rua Domingos do Ó, se livrarem da despromoção e tornarem-se assim a 16ª equipa da prova.

Na jornada de estreia da competição, o 1º de Maio joga com o Recreativo da Caála, no Estádio municipal Edelfride Palhares Costa “Miau”, partida que está a mexer já com a cidade, e vivida com grande expectativa por parte do público amante do futebol, em função da mediatização do processo.

Na temporada transacta, fruto das inconsistências nos resultados, com mudanças de técnicos e suspensão de atletas à mistura, o 1º de Maio de Benguela terminou na 15ª posição, com 29 pontos, insuficientes para  manter-se na primeira divisão.


MANUTENÇÃO
Associados divergem nas posições


A manutenção da equipa do 1º de Maio de Benguela, na primeira divisão, constitui motivos de festa e júbilo entre os adeptos e associados afectos aos proletários, que prometem apoiar a direcção no sentido de evitar as divergências do passado, e que resultou na despromoção para o escalão secundário do futebol nacional.

O mais antigo sócio do Estrela Clube 1º de Maio de Benguela, Armindo Kamati (aderiu ao clube, em Abril de 1980), lembrou aos atletas, técnicos e dirigente do clube, a manterem-se serenos e firmes na decisão tomada para com a equipa principal. Na sua óptica, foi preciso coragem e muita astúcia para ocupar o lugar deixado pelo Benfica de Luanda.

“Esta, é a oportunidade que temos para nos unirmos, em torno do clube. A direcção vai ter de abrir-se e comunicar mais com os associados, se quiser contar com o nosso apoio. A equipa é nossa, e vai merecer o carinho e estima de todos os benguelenses que se revêem nas cores do 1º de Maio (…)”, comentou o mais velho.

“A decisão foi tomada, e o público está feliz. Caberá aos jogadores provarem, em campo, a aptidão e qualidade competitiva, sobretudo, nos jogos realizados em casa. Lá estaremos para prestar o nosso incondicional apoio”, prometeu. O antigo presidente do clube, Octávio de Jesus Pinto, apontou a atitude tomada pelos dirigentes proletários como corajosa, e carregada de forte simbolismo para o futebol na província. Reiterou, que manter o 1º de Maio na primeira divisão, foi um ganho que deve ser enaltecido por todos os benguelenses.

Movido por alguma euforia, o actual vice-presidente da APF deu mostras de desconhecimento de algumas regras do jogo, ao considerar o 1º de Maio de Benguela como clube que devia merecer um tratamento diferenciado pela Federação Angolana de Futebol, por ser a maior impulsionadora da modalidade na província. “Sempre que jogue, movimenta as paixões dos benguelenses e não só, por isso, não devia participar da liguilha. Devia entrar directamente no Girabola. A Federação sabe disso, e deve respeitar o clube, por tudo que fez em prol do país”, emocionou-se.

A antiga andebolista do 1º de Maio, Anastácia Tchinossole, considerou arriscado e precipitada a decisão tomada pela direcção do 1º de Maio de Benguela. Em seu entender, a equipa técnica liderada por Hélder Teixeira devia ser a primeira a convencer os dirigentes do clube a reflectir melhor antes de avançar com aquilo que chamou “ posição absurda”.

“Não faz sentido, uma equipa que perdeu grande parte dos melhores executantes, num ápice arrisca passar por uma vergonha, numa competição que à partida não estava preparada para participar. Sinceramente, este 1º de Maio estava a preparar jogadores para disputar o ‘provincial’, de repente virou o disco, e projecta entrar numa competição que lhe é alheia. Espero que esteja enganada, e a equipa produza bons resultados no Girabola”, conferiu.

Ainda assim, promete apoiar o clube, nos momentos de alegria e de tristeza. “Não tenho alternativa, foi neste clube que me formei como atleta. Vou tê-lo no meu coração. À toda a rapaziada que forma o plantel, desejo triunfos e muita sorte”, felicitou.
JG