Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

1 de Maio vence e garante permanncia

J?LIO GAIANO, EM BENGUELA - 18 de Setembro, 2017

1. de Maio venceu ontem o ASA por 1-0 e cumpre objectivo traado

Fotografia: Paulo Mulaza | Edies Novembro

A formação do 1º de Maio de Benguela assegurou a permanência na fina-flor do futebol nacional ao vencer ao ASA, por 1-0, feito testemunhado por um número considerável de adeptos da equipa da casa. Depois de um período \'negro\' em que a equipa da Rua Domingos do Ò chegou a aventar a hipótese de desistência da prova, a entrada de José Agostinho \"Tramagal\" deu outra vida ao plantel, culminando com a manutenção na prova. 

O estádio municipal Edelfride Palhares da Costa “Miau” viveu ontem um momento ímpar. Jogadores, técnicos e dirigentes da equipa proletária foram transportados ao \"colo\" pelos seus apoiantes, ante o olhar triste dos aviadores, que responsabilizaram o árbitro pela derrota. O 1º de Maio entrou com a lição bem estudada. Sabia que o adversário entraria a matar, por isso, não arriscou. Deixou o ASA  tomar a iniciativa e jogar no erro do adversário.

Com a sua posição ainda indefinida, os aviadores sobrevoavam o meio campo contrário com alguma facilidade, o que facilitou a tarefa da equipa da casa que não precisou empenhar-se ao fundo para sair do estádio sorridente e com missão cumprida. Na verdade, o ASA merecia um resultado diferente daquele que consentiu na tarde de ontem. Tomou conta da partida, mas a sorte foi-lhe madrasta, tanto é que os seus dianteiros fartaram-se de falhar lances com selo de golo.

E como esperar é uma grande virtude o 1º de Maio no momento certo deu a machadada final, com Caporai assistido por Mona atirou a contar para a festa da confirmação, à passagem do minuto 66.Foi um golo vivamente festejado pelos milhares de adeptos que, a partir das bancadas, entoavam a canção de gratificação pela consumação dos objectivos traçados.No final, o estádio esteve ao rubro e ninguém quis deixar o recinto sem antes abraçar os seus “heróis”. Afinal estava o futebol benguelense salvo da despromoção.