Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Aflitos jogam na Cala e Menongue

Betumeleano Ferro - 15 de Julho, 2018

Progresso tem tarefa complicada no Mrtires da Kanhala

Fotografia: Santos Pedro | Edies Novembro

O Girabola Zap 2018 vai estar ao rubro no domingo, porque a despromoção pode estar em evidência nos aguardados duelos, Clube Recreativo da Caála (CRC) - Progresso Sambizanga e Cuando Cubango FC - 1º de Maio de Benguela, pois, à excepção da equipa de Menongue, os demais competidores sentem os ventos fortes que conduzem à segunda divisão.
Ainda a tentar perceber a desgraça proveniente da Secretaria, perder seis  pontos, o Progresso vai ao Estádio da Caála para provar que está imune ao que acontece nos bastidores. É ponto assente, que os sambilas podem ter dificuldades de esconder o toque recebido, afinal, foi há menos de uma semana que a equipa voltou às vitórias, 13 jogos depois, enfim, tem de ser o Progresso a justificar o nome para sair com vida do campo.
Os caálenses gostavam de defrontar os sambilas, sem adversidades, mas como o tempo e o imprevisto resolvem os problemas, o CRC tem de fazer a actualização de dados para controlar toda a revolta que toma conta do balneário do Progresso. A necessitar de pontos para fugir da despromoção, que parece mais iminente em penúltimo lugar, o CRC tem de entrar com forte pedalada para acelerar o golo, se for primeiro a marcar, talvez para adiantar .
As duas equipas estão aflitas, o CRC está no corredor da morte, o Progresso tenta fazer companhia ao adversário, os ingredientes estão no jogo, mas os antagonistas têm de escolher o mais importante, ansiosos como estão, têm poucas chances para cozinhar grande exibição para arrancar 3 pontos e ganhar o dia.
O Cuando Cubango surpreendeu a todos, entrou competente e parece garantir com antecedência o seu lugar no campeonato 2018/2019, que inicia em Outubro. A bem da verdade, o primodivisionário aproveita os ventos caseiros para a partir das 15h00 de hoje, no Municipal, aprofundar a agonia do 1º de Maio de Benguela. Os proletários estão no sufoco, não conseguem ver escapatória possível, ainda mais, porque sentem dificuldades de ganhar para esboçar sinais de recuperação.
Os proletários estão com sérias dificuldades de mostrar argumentos competitivos, para devolverem a esperança aos adeptos, uma vitória extramuros aumenta o ânimo do 1º de Maio, mas a única certeza, é que o Municipal ou vai testemunhar o reavivamento proletário ou o prolongamento do sofrimento.
Mais folgado, em tudo, o Cuando Cubango tem de repetir a postura humilde de sempre,  evitar comportar-se de maneira arrogante, para não chorar no final.