Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

guia faz travessa do desporto

Betumeleano Ferro - 26 de Maio, 2016

Encarnados com dificuldades em ganhar equipas adversrias de Luanda

Fotografia: Santos Pedro

A derrota caseira no jogo com o ASA, por 1-0, na jornada passada do Girabola ZAP  comprova que os jogos com os adversários de Luanda tornaram-se um pesadelo para o Benfica de Luanda. Até ao momento, as águias perderam todos os quatro jogos disputados com equipas da capital.

O Benfica já sofreu sete desaires em 13 jogos que disputou, pelo que  pode concluir-se que os dérbis estão a ser de má memória para a equipa de Zeca Amaral. Nas duas derradeiras jornadas, as águias vão enfrentar o Petro e o Progresso, dois clubes sedeados em Luanda, tem oportunidade para corrigir a série negra de maus resultados nos confrontos com os conjuntos luandenses.

As águias ocupam a sexta posição com 18 pontos, menos dez que o líder 1º de Agosto que tem um jogo em atraso. Os 12 pontos desperdiçados contra os confrades de Luanda impedem as águias de voar alto na classificação, pois aos 12 pontos há que adicionar os nove, resultantes de derrotas no interior.

O Benfica perdeu 2-0 com o 1º de Agosto e nas últimas três jornadas, caiu aos pés do Kabuscorp, Interclube e ASA por 1-0. Uma rápida olhada nestes resultados permite ver mais um dado importante: as águias continuam sem marcar nos dérbis.

O Girabola ZAP é disputado por 16 equipas, mas o facto de Luanda ter sete representantes, força as equipa da capital a terem bom aproveitamento no  figurativo mini - campeonato, composto de seis jornadas, equivalentes a 18 pontos.

A procissão já passou do adro porque faltam  duas jornadas para terminar a primeira volta, pelo que começa a ficar evidente que na hora das contas, a equipa de Zeca Amaral vai lamentar os pontos perdidos nos dérbis.

Os jogos com o Petro neste domingo, e com o Progresso do Sambizanga são decisivos para o Benfica. Os dois adversários equipam-se de amarelo, mas o grande dilema encarnado é saber aproveitar os dois derradeiros dérbis para  reabilitar-se antes do fim da primeira volta. A equipa perdeu de maneira consecutiva os últimos quatro encontros, três deles  com o Kabuscorp, Interclube e ASA, clubes da capital.
BF