Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Ajustes de contas

Betumeleano Ferro - 09 de Julho, 2016

Militares e guias jogam no Estdio 11 de Novembro a 16 jornada do Campeonato Nacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

O dérbi da 16ª jornada do Girabola Zap, 1º de Agosto - Benfica de Luanda,  acontece esta noite, a partir das 18h00, e nem é preciso esperar pelo apito inicial para prever que há sede de vingança dos dois lados. A explicação é fácil, mas dada em partes. Ou seja, os militares iniciaram  uma boa prestação no campeonato, com triunfo de 2-0 sobre as águias.

A desforra das águias demorou, acabou por acontecer, da pior maneira para os militares. O Benfica devolveu os 2-0 na Taça de Angola. O triunfo encarnado significou a eliminação dos rubro -negros e condicionou a época dos agostinos, agora só erguem o caneco da única competição, o campeonato, em que estão envolvidos.

O espírito de vingança, do dérbi,  foi resumido em poucos parágrafos, mas qualquer observador  é capaz de concluir com exactidão que as duas equipas querem desempatar o seu mini -campeonato. É irrelevante, o discurso dos contendores, o que conta é o que cada equipa carrega no íntimo, é  bom lembrar que os jogos entre equipas da mesma cidade ganham uma outra dimensão, quando uma delas tem chance de conquistar alguma coisa, como é o caso do 1º de Agosto, líder do campeonato.

Todos os prognósticos são válidos para o dérbi, mas há muitos motivos para acreditar que o 1º de Agosto e o Benfica estão galvanizados. Se é verdade, que os militares têm em mente que foram as águias quem os afastou da taça, a inversa também é verdadeira, pois, os encarnados não se esquecem que o mau campeonato começou com a derrota contra os rubro-negros. Mais: as águias também se lembram de que foi a goleada, por 4-1, contra os militares que significou o princípio do fim da derrocada na luta pelo título do Girabola 2015.

O 1º de Agosto tem mais qualidade individual do que o Benfica, mas a época está a  provar que os militares não têm alternativas de qualidade, no banco. As substituições efectuadas por Dragan Jovic pouco trazem para a equipa. Mingo Bile, só para dar um exemplo, está longe do fulgor que o tornou num dos nomes mais soantes do plantel rubro -negro.

A ausência do prolífico Ary Papel  penaliza o 1º de Agosto, mas o desfalque do craque militar permite boa oportunidade ao técnico Dragan Jovic e ao avançado Gelson, agora aclamado como estrela da companhia, de provar de que há vida sem Papel.

O Benfica de Luanda contínua intermitente, a eliminação na Taça de Angola no jogo com o Interclube é uma prova, as águias demoram a voar para as exibições e resultados regulares. A qualidade competitiva do plantel de Zeca Amaral demora a sobressair no campeonato, os muitos pontos perdidos na primeira volta, põem em cheque o real valor da equipa encarnada.

O facto do jogo  disputar-se uma hora depois, de terminar o Libolo -1º de Maio, é capaz de aquecer ainda mais o dérbi luandense. Agora, resta esperar pelos 90 minutos para ver qual das equipas lida melhor com a pressão, ganhar.