Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Atletas fixam residncia no clube

Manuel Neto - 11 de Fevereiro, 2019

Fotografia: Edies Novembro

A crise que a equipa principal de futebol do Atlético Sport Aviação (ASA) atravessa,  pode conhecer contornos mais graves nos próximos dias. A greve que se assiste há uma semana, com a paralisação dos trabalhos por motivos salariais e não pagamento de prémio de jogos da época passada fez, inclusive, com que alguns atletas, devido as dificuldades, fixassem residência no clube. 
De acordo com uma fonte do clube aviador, a crise no clube vem-se agudizando cada vez mais, ao ponto de a equipa viajar com um grupo reduzido, a pretexto de falta de condições para compra de bilhetes de passagem.
“É muito triste quando uma equipa do perfil do ASA, viaja apenas com 11 ou 13 atletas, e nem sequer um técnico-adjunto, alegando falta de verbas. É mau o que se passa no ASA, visto que os atletas têm famílias para sustentar, pagar rendas de casa e outras  despesas”, asseverou.
A fonte adiantou que os momentos difíceis por que passam os atletas, levou mesmo  alguns jogadores a fazerem do clube a sua moradia e aponta como exemplo, o avançado Wilson, lesionado durante a disputa da Segundona, o médio Messias e outros que acabaram mesmo por  fixar residência na agremiação.
De acordo com a fonte, no final de cada jogo, os atletas regressam às suas casas de boleia ou mesmo a pé, o que levou a equipa a pedir encontros com a direcção, tendo afirmado que esta escuda-se de comparecer nos dias combinados. O técnico principal da equipa, José Dinis, lamenta a situação e diz que o dialogo é o melhor caminho, para solução da questão.
A crise que a equipa principal de futebol do Atlético Sport Aviação (ASA) atravessa,  pode conhecer contornos mais graves nos próximos dias. A greve que se assiste há uma semana, com a paralisação dos trabalhos por motivos salariais e não pagamento de prémio de jogos da época passada fez, inclusive, com que alguns atletas, devido as dificuldades, fixassem residência no clube. 
De acordo com uma fonte do clube aviador, a crise no clube vem-se agudizando cada vez mais, ao ponto de a equipa viajar com um grupo reduzido, a pretexto de falta de condições para compra de bilhetes de passagem.
“É muito triste quando uma equipa do perfil do ASA, viaja apenas com 11 ou 13 atletas, e nem sequer um técnico-adjunto, alegando falta de verbas. É mau o que se passa no ASA, visto que os atletas têm famílias para sustentar, pagar rendas de casa e outras  despesas”, asseverou.
A fonte adiantou que os momentos difíceis por que passam os atletas, levou mesmo  alguns jogadores a fazerem do clube a sua moradia e aponta como exemplo, o avançado Wilson, lesionado durante a disputa da Segundona, o médio Messias e outros que acabaram mesmo por  fixar residência na agremiação.
De acordo com a fonte, no final de cada jogo, os atletas regressam às suas casas de boleia ou mesmo a pé, o que levou a equipa a pedir encontros com a direcção, tendo afirmado que esta escuda-se de comparecer nos dias combinados. O técnico principal da equipa, José Dinis, lamenta a situação e diz que o dialogo é o melhor caminho, para solução da questão.