Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Aviadores crentes no bom censo

Augusto Panzo - 14 de Março, 2016

Aviadores esto expectantes quanto ao futuro do clube e clamam pela interveno de quem de direito

Fotografia: Jornal dos Desportos

O presidente do Atlético Sport Aviação (ASA), Elias José, acredita numa possível inversão da decisão recentemente tomada pela companhia nacional de bandeira Taag, a principal patrocinadora do clube, na suspensão dos apoios financeiros que disponibilizava para a formação do aeroporto.

Em entrevista concedida ao Jornal dos Desportos, o presidente da equipa aviadora diz não entender o que se passa de facto, pois, a decisão surpreendeu tudo e todos e deixou as pessoas totalmente estupefactas. "Ainda tenho esperança que essa situação venha a ser invertida nos próximos dias, porque está a mexer com muita gente. Temos mantido contactos com pessoas directamente ligadas à Taag e que vêm se mostrando preocupados com o caso, o que pode abrir alguma hipótese de se rever a decisão por parte do patrocinador", admitiu o dirigente do clube aviador.

Para reforçar a sua ideia, Elias José, esclareceu que o acordo entre a companhia aérea e o  clube existe há longos anos, por isso, está perplexo pelo facto de um dia para outro, e  sem qualquer encontro prévio entre as partes envolvidas, tomar-se uma posição unilateral com consequências imprevisíveis.
"Pessoalmente não estou a ver as pessoas chegarem de onde vieram, para desfazer um compromisso que vigora há longos anos, inclusive antes da nossa independência", lamentou o dirigente desportivo.

O presidente aviador fez lembrar que este acordo vigora desde o tempo colonial, quando a Direcção dos Transportes Aéreos (DTA), que deu depois lugar à Taag, criou uma área social que contemplava o desporto, o que deu origem à criação do Atlético Sport Aviação (ASA).

"Se a DTA que deu origem à Taag, sempre apoiou o sector social da empresa através do desporto, criando o ASA, clube que sempre beneficiou do apoio financeiro directo dessa empresa, não estou a ver as pessoas desfazerem isso por algo que posso considerar mero capricho. Por isso repito, que essa decisão pode ser revista nos próximos dias", garantiu.
Criado em 1954, o Atlético Sport Aviação é dos clubes mais antigos do país que continua em actividade, apesar das dificuldades que enfrenta nos últimos três anos por falta de apoio financeiro, chegando mesmo a perigar a manutenção no Girabola e a continuidade da agremiação.

A par disso, o ASA tem o condão de ser um dos fundadores do campeonato nacional da I divisão a par do 1º de Agosto e os únicos clubes sobreviventes, de um grupo de equipas que estiveram na origem da fundação da maior prova futebolística nacional da Primeira Divisão em 1979.

VERSÃO DOS FACTOS
Emirates propõe
redução de gastos


A transportadora aérea angolana (Taag), segundo algumas vozes, vive na actualidade momentos financeiros conturbados, o que a levou a assinar um pré-acordo de pareceria o ano passado, com a Emirates, uma das mais prestigiadas companhias do mundo.

De acordo com uma fonte contactada pelo JD, no quadro desse acordo de parceria com o consórcio dos Emiratos Árabes Unidos, constatou-se que a condição financeira da Taag, considerada de débil, depois de analisar os vários elementos que constituem o património da empresa, alguns administradores apresentaram a proposta de retirar do seu pacto social o apoio ao desporto.

Com base nesta posição, o nosso interlocutor sublinhou que, a condição obriga a Taag fazer algumas restrições nos seus compromissos com a área social, e por mal dos pecados, a principal 'vítima' foi o ASA que, apesar de que para alguns dos novos dirigentes da companhia, pouco ou nada significar, diz muita coisa para os trabalhadores, que sempre estiveram ligados ao clube através dessa mesma empresa.

Foi com base nesta decisão que estalou a crise e pode precipitar o desaparecimento de mais um dos clubes com tradição no desporto angolano, não apenas pelo números de títulos que ostenta, mas acima de tudo pelo número de atletas e funcionários que movimenta.

  Outra situação que está a levantar algumas interrogações às pessoas, prende-se com o facto de, nos outros países essa mesma Emirates ser um dos patrocinadores de muitos clubes em todo mundo e com maior encargos financeiros, mas cá em Angola tomou uma decisão surpreendente, o que deixa perplexa toda a gente, independentemente das cores clubistas que defendem.            
AP