Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Aviadores travam domnio dos colossos

09 de Dezembro, 2019

ASA subiu em trs ocasies ao pdio sob comando do portugus Bernardino Pedroto

Fotografia: Kindala Manuel| Edies Novembro

Em 41 edições já disputadas do Girabola Zap, salta à vista o facto de o Petro de Luanda e o 1º de Agosto serem as duas equipas mais titulas da prova. Os tricolores somam 15 títulos, contra treze dos militares. Por seu o Atlético Sport Aviação (ASA), hoje relegado ao escalão secundário, tem o mérito de abrir o caminho do curso da história da prova, em que até 2002, era domina pelos dois maiores emblemas do futebol nacional.
É importante lembrar a esse respeito que desde o lançamento oficial desta maior prova do futebol nacional em 1979, quer o Petro, quer o 1º de Agosto, assumiram o poderio da competição por longos anos e sem dar espaço de manobra à concorrência.
Nesse quesito, é importante lembrar que até a época de 2001, estes dois emblemas do nosso Girabola Zap repartiram praticamente entre os louros da prova, chegando os tricolores do “Eixo-Viário” a atingir 13 títulos e o seu rival do “Rio Seco” oito. Durante o período de domínio avassalador do Petro e 1º de Agosto, a única equipa que teve a ousadia de lhes fazer frente até 2001, foi o 1º de Maio de Benguela, que venceu as edições do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão em 1983 e 1985.
Foi o ASA, que em 2002, sob liderança do português Bernardino Pedroto e um naipe de jogadores onde pontificavam nomes como os Yamba Asha, Fofaná, Milex, Serginho, Job, Love Cabungula e tantos outros, interrompe esse ciclo de reinado dos petrolíferos e agostinos. A marcha triunfal dos aviadores estendeu-se pelas épocas de 2003 e 2004, respectivamente. Foi precisamente a partir daí que o Girabola conheceu outros campeões, além do 1º de Agosto, Petro de Luanda e 1º de Maio.
O Sagrada Esperança da Lunda Norte, que chegou ao título inédito da sua história em 2005, foi um destes, seguindo-lhe depois o Interclube (2007 e 2010), o Recreativo so Libolo do Cuanza Sul (2011, 2012, 2014 e 2015), assim como o Kabuscorp do Palanca, que foi campeão em 2013. Enfim, como se pode constatar, em 40 anos de existência o Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão já produziu oito campeões.