Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Azulo e Ramb disputam hoje duelo

Betumeleano Ferr?o - 10 de Setembro, 2017

Brasileiro do Petro lidera a lista dos artilheiros

Fotografia: Vigas da Purificao | EDIES NOVEMBRO

Trata-se do brasileiro Tiago Azulão e do cabo-verdiano Rambé.

Tiago Azulão, do Petro de Luanda, comanda a lista dos artilheiros 14 golos, enquanto o jogador do 1º de Agosto, Rambé é o segundo com 11, dado que torna o clássico mais apetecível. Ao contrário do brasileiro que tem as usa impressões no clássico, marcou o golo da vitória na segunda volta do campeonato passado, o cabo-verdiano vai, certamente, tentar inscrever o seu nome na história no duelo dos duelos do campeonato nacional.

Nos últimos três jogos entre si tricolores e militares obtiveram uma vitória e um empate, tendo o 1º de Agosto ganho na primeira volta do Girabola Zap, por 1-0, e os tricolores na segunda, no fecho do campeonato, pelo mesmo resultado. O empate nulo aconteceu na nona jornada da presente edição da competição.
    
Os comandados de Dragan Jovic e Beto Bianchi deverão então procurar dar o melhor de si na busca dos três pontos.
      
Buá, Nelson, Ibukun, Rambé e Bobó, pelos agostinos, Job, Tiago Azulão, Herenilson, Carlinhos e Manguxi, pelos tricolores, são alguns dos “artistas” cuja missão é, entre outras, levar os aficcionados a emoções que relembram o passado longínquo em que actuavam figuras nostálgicas como N’dunguidi, Alves, Lourenço, N’Suka, Napoleão, Jesus, Lufemba, Abel, Saavedra, Quim Sebastião, Nejó, entre outros.

O confronto entre militares e tricolores iniciou-se na época de 1981. O 1º de Agosto venceu na primeira volta por 2-0, ao passo que o resultado mais desnivelado ocorreu em 1988, no 6-0 favorável aos tricolores.

No histórico, contam-se 22 vitórias para o 1º de Agosto, 31 para o Petro e 20 empates. O Petro possui 15 campeonatos ganhos e o 1º de Agosto 10.


CLÁSSICO PARA DEFINIR POSIÇÕES 
Eternos rivais vão fazer pela vida para sair mais
fortalecidos para o que vai restar da luta pelo título

O apito do clássico vai soar às 17h00, no estádio 11de Novembro, porém na mente dos adeptos do 1º de Agosto e do Petro de Luanda o jogo há muito está a decorrer, ainda mais por que se espera que no final um dos rivais saia, em caso de vitória, com uma vantagem capaz de ser decisiva para desempatar os confrontos entre si.

As declarações dos treinadores e atletas há muito se tornou um lugar comum, agora que comece o único clássico do futebol angolano para se ver quem, na prática, vai ter facilidade de pôr as suas ideias de jogo no relvado, para continuar a depender de si para chegar ao título. Além de começar empatado a zero, a outra coisa certa, é que os rivais sabem que por serem equivalentes as chances de vitórias são iguais.

Ainda assim, é certo que a atitude competitiva vai julgar o desempenho do 1º de Agosto e do Petro de Luanda. As duas equipas vão jogar abertas, mas o que se quer mesmo é que juntem eficácia para poder justificar que foram ofensivas, ninguém está a espera que chovam golos no 11 de Novembro, mas é justo cobrar oportunidades no jogo dos jogos do futebol angolano.

O 1º de Agosto entra em campo a olhar para cima, mas isso de modo algum significa que tenha mais responsabilidades, é verdade que um triunfo dá mais folga aos tricolores, pois abririam 5 pontos de vantagem.

 Ainda assim, não seria correcto achar que a pressão está com os militares, pois a inversa também é mais do que verdadeira, os tricolores estão sob obrigação de tentar fugir do rival.

As duas equipas têm os mesmos pontos fortes e fracos, pelo que só o poder de inspiração dos seus craques vai determinar um bom ou mau resultado. Os adeptos estão mais preocupados com o marcador, mas isso não isenta os atletas de jogarem também para o espectáculo, os rivais têm qualidade acima da média para ir ao encontro do doce passado que o 1º de Agosto e o Petro de Luanda proporcionaram.

Nenhum dos contendores quer sair cabisbaixo do clássico, mas sabem que o empate é o único resultado que ambos podem alcançar. A bem da verdade, esse é o mal menor para militares e tricolores porque no final vão conservar as posições iniciais, mas fica claro que antes de se conformarem com o desperdício de pontos vão tentar fazer pela vida para tornar realidade a ambição de ganhar.

A entrada em funções do técnico Dragan Jovic deu ao 1º de Agosto um ascendente sobre o Petro de Luanda, como fica evidente pela estatística favorável de 4 vitórias e 1 derrota em 7 jogos. É verdade que são números do passado, mas às vezes ajudam a dar confiança e motivação sobretudo quando se está em vantagem no marcador.