Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Balacai sentencia estreante

Paulo Caculo - 22 de Fevereiro, 2016

Tricolores precisaram do segundo tempo do jogo para garantir os trs primeiros pontos no Campeonato Nacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

Um golo solitário de Balacai, rubricado aos 53 minutos, permitiu ao Petro de Luanda vencer ontem o 4 de Abril do Cuando Cubango, no estádio 11de Novembro, em jogo válido para a 1ª jornada o Girabola Zap 2016.

A jogar em casa, perante os seus adeptos, não admirou que fosse pertencer aos donos da casa a iniciativa do duelo. Os petrolíferos tomaram as rédeas da partida e com alguma naturalidade ganharam espaços para jogar em terrenos recuados do meio-campo adversário. O facto é que está toada manteve-se durante longos períodos de jogo, facto que tornou o relvado totalmente inclinado para a baliza do conjunto que veio do Cuando Cubango.

O claro domínio do Petro obrigou várias vezes que o 4 de Abril tivesse que se manter entrincheirado na sua defesa e só a espaços conseguisse sacudir a enorme pressão a que esteve sujeito, sobretudo nos primeiros 45 minutos. Mas, também, é bom que se diga, de nada valeu nesse período o enorme volume de oportunidades e posse de bola criado pela formação tricolor, que o máximo que fez foi apresentar um autêntico festival de falhanços: Fabrício, aos 35'´e Job, aos 40´,  protagonizaram as mais flagrantes.

A verdade é que a estratégia defensiva do 4 de Abril continuava a surtir efeitos. Ou seja,  o conjunto do Cuando Cubango era uma equipa a jogar sem complexos, a trocar bem a bola e a procurar abrir vias de acesso à baliza de Gelson.

Pese a postura ofensiva do Petro e a contra ofensiva criada pelo 4 de Abril, o nulo prevaleceu até o intervalo.
O descanso acabou sendo um bom remédio para os donos da casa, porque a equipa de Beto Bianchi entrou demolidora e precisou, apenas, de oito minutos para inaugurar o marcador, numa jogada de belo feito, em que Balacai coloca a bola por cima da cabeça do guarda-redes Toy que ficou muito mal na fotografia.

Inconformado com o resultado, Joao Machado mexeu na equipa, mas o futebol ainda continuou a ser pouco criativo no meio-campo, onde esperava-se muito mais bolas municiadas para o ataque, onde Manucho e Candú eram meros assistentes, pois a bola demorava a chegar-lhes aos pés.

Os últimos 15 minutos assistiu-se a um jogo mais dinâmico e frenético, com os donos da casa a tentarem chegar ao golo da tranquilidade e os forasteiros em busca do tento da igualdade.

ARBITRAGEM
O trabalho do trio de arbitragem, encabeçado por António Caxala, não teve qualquer influência no resultado. O experiente juiz esteve sempre em cima das jogadas, facto que o possibilitou ajuizar perfeitamente os lances, cumprindo e fazendo cumprir as regras de jogo. Disciplinarmente também esteve bem.

PROGRESSO DA LUNDA SUL
"Temos muitos
bons jogadores"


O médio Mendinho, do Progresso da Lunda Sul, assegurou ao JD que está muito bem ambientado no grupo e acredita que a sua inserção na equipa principal,  pode ser uma questão de tempo. O apoio dos seus colegas, bem como da equipa técnica e dos membros da direcção, cimenta a confiança e motivos para  dedicar-se mais aos treinos.

“Estamos a trabalhar e a mostrar à equipa técnica, o que de bom sabemos fazer, em prol do clube. Agora é preciso entender que nem tudo depende de nós, enquanto atleta. Por isso, vai ser preciso dar o ‘litro’ e suar a camisola nos treinos para se chegar à titularidade. Temos muitos bons jogadores, com muita qualidade, por isso, estamos aqui para provar que também somos capazes de ajudar a equipa a melhorar de performance”, precisou.

Tal como Wilson Alegre, antigo internacional pela selecção principal, o sonho de Mendinho passa por representar os Palancas Negras. Quanto ao profissionalismo no estrangeiro, foi unânime em afirmar que apesar de ser o desejo de qualquer  atleta que se julgue como tal, a  grande pretensão passa por elevar os níveis da competição interna, isto é, jogar bem e melhor, formar equipas fortes do ponto de vista competitivo, de forma a atrair o público aos Estádios de futebol.
JG