Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Benfica de Luanda derrota(1-0) 4 de Abril no 11 de Novembro

Betumeleano Ferro - 16 de Julho, 2016

Os encarnados embalados ontem no Estdio 11 de Novembro tiveram sempre o cuidado de atacar com pacincia e segurana para impedir ao adversrio criar perigo no contra-golpe

Fotografia: Jos Soares

O Benfica de Luanda e o 4 de Abril levaram ontem no 11 de Novembro estratégias diferentes para conquistar os três pontos. As duas equipas jogaram de maneira aberta, mas a eficiência encarnada acabou por falar mais alto quando Macaia, aos 61', se elevou bem no meio de adversário para desviar um arremesso lateral de Gomito, o guarda-redes Rochana ficou a meio da viagem e não conseguiu defender o cabeceamento que fez a história do resultado.

O magro "score" foi escasso demais para traduzir a postura ofensiva das duas equipas. O resultado apertado tirou algum brilho a exibição do Benfica e do 4 de Abril. Por falta de discernimento no último passe, os dois contendores foram incapazes de trazer mais animação a um jogo muito repartido, agradável de se ver, porque houve atitude competitiva dos dois lados.

A cabeçada oportuna de Macaia deu alguma justiça a vitória do Benfica. As duas equipas atacaram muito mas não desfrutaram de muitas chances para marcar. O golo das águias até nasceu num lance que parecia inofensivo, mas provou que é no aproveitar que está o ganho, Macaia estava em campo havia três minutos. Ele rendeu o lesionado Vado aos 58', mas conseguiu o que mais ninguém foi capaz de fazer, o golo.

A maneira rápida como o 4 de Abril tentou correr sempre para a vitória amedrontou, até certo ponto, o Benfica. Os encarnados tiveram sempre o cuidado de atacar com paciência e segurança para impedir o adversário de criar perigo no contragolpe.

Os dois contendores se esforçaram para dar um pendor ofensivo ao jogo, a escassa diferença pontual que os separava antes do apito inicial, Benfica 19, 4 de Abril 16, motivou os atletas a correr atrás do prémio sem pensar no empate.

A ambição de vencer este presente nos dois lados, mas faltou sangue-frio na hora de finalizar, o que acabou por ser mais penalizante para o 4 de Abril. Em alguns períodos da etapa inicial, a equipa forasteira abusou dos remates de meia distância tão logo se apercebeu que o guarda-redes Toy estava muito intranquilo, pois largava bolas defensáveis.

O guarda-redes Toy tremeu na primeira parte mas conseguiu se redimir quando a equipa precisou segurar a magra vantagem. Minutos depois do Benfica fazer o 1-0, ele foi decisivo ao desviar para canto um livre que levava selo de golo, o banco do 4 de Abril já estava de pé para festejar o empate.

A boa exibição do Benfica e do 4 de Abril foi insuficiente para contagiar a equipa de arbitragem chefiada por Carlos Armando Santos. Mal auxiliado pelos seus colegas ele acabou por cometer erros crassos que prejudicaram as duas equipas, embora tenha lesado mais as águias, aos 78' um defesa do 4 de Abril falhou a bola e acertou no peito de Macaia. Era lance para grande penalidade; o árbitro estava tapado mas o segundo árbitro assistente tinha a obrigação de ter o olho singelo, afinal o lance aconteceu no seu campo de visão.