Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Benguela corre o risco de despromoção

Betumeleano Ferrão - 21 de Setembro, 2016

Estudantes e proletários estão de calculadora na mão pois têm de vencer todos os jogos do calendário

Fotografia: Dombele Bernado

A província de Benguela é das praças tradicionais do futebol angolano, está na iminência de ver o histórico 1º de Maio e a Académica do Lobito,  descerem de divisão. Quando faltam seis jornadas do fim do Girabola ZAP, as duas equipas estão na zona de despromoção, pior do que isso, dão poucos sinais de serem capazes de sobreviver ao destino "traçado".

O campeonato dos aflitos promete ser intenso, quanto à luta pelo título. A matemática ainda dá esperanças às equipas, acima e abaixo da linha de água, mas à medida que as jornadas se encaminham para o final, começa a ser consensual o quarteto, 4 de Abril, 1º de Maio, Académica e Porcelana,  descem três para a segunda divisão.

A escassa diferença pontual entre os aflitos, torna estas formações potenciais candidatos à despromoção. A partir de agora, só restam mais 18 pontos em disputa, quem amealhar na totalidade garante a permanência. Porém, há factos reais que demonstram ser impossível às 4 equipas fazerem o pleno, até o fim do Girabola ZAP.

A título de exemplo, o 1º de Maio de Benguela aparenta ter o calendário mais complicado. Na sexta-feira, vem a Luanda para o jogo com o Benfica de Luanda, e depois recebe o 1º de Agosto. Aconteça o que acontecer, os militares vão à casa dos proletários como líderes, e depois têm dois confrontos seguidos:  4 de Abril, no Menongue, e em casa com a Académica.

As esperanças de permanência vão aumentar ou diminuir, depende dos resultados nos jogos com os encarnados, e rubro - negros, diante da formação do Cuando Cubango e dos estudantes do Lobito. Nos tempos em que os lenços brancos eram imagem de marca nos festejos dos golos, os adeptos do 1º de Maio nem tinham com que se preocupar. O cenário agora é outro, o doce passado do histórico clube da Rua Domingos do Ò, o primeiro angolano a disputar uma final africana, o primeiro do interior a vencer o campeonato e a taça, parece insuficiente para garantir a permanência na primeira divisão.

A Académica do Lobito livrou-se no ano passado da despromoção, na última jornada, uma conjugação de factores contribuiu de maneira decisiva para a permanência dos estudantes no campeonato. Os papéis inverteram-se, porque os estudantes estão por conta própria, para obter os pontos necessários para escapar do que parece óbvio.

Os reforços contratados para esta temporada não trouxeram nada de nova à equipa. A história do estudante mandrião que não sabe se fica aprovado ou reprovado, está a tornar-se real, com poucas hipóteses de esta época de evitar o descalabro. 

A Académica mudou de treinador, mas continua sem bom aproveitamento. A aposta em atletas experientes, alguns dos quais com passagens por clubes como Petro de Luanda e Libolo, nem garantiram a permanência.

Os estudantes estão de calculadora na mão, sabem que precisam de vencer os seis derradeiros jogos, mas a grande aflição dos pupilos de António Lopes "Chiby" é o calendário, que os obriga a ter de cruzar com o 1º de Maio e com o Porcelana, dois concorrentes directos no campeonato da despromoção.

Diante destes embates decisivos, a Académica ainda tem de fazer pela vida  frente ao Sagrada Esperança e ao Desportivo da Huíla. Os dois adversários não são apetecíveis, porque também precisam de pontos para se afastarem da linha de água, porque encontram-se muito próximo. A sorte das equipas benguelenses, parece estar traçada, a matemática não dá muitas esperanças ao 1º de Maio e a Académica do Lobito. As duas equipas têm lutado contra a corrente, sem obterem progressos reais, um novo regresso à segundona é cada vez mais iminente.

LIBOLO-ACADÉMICA
Técnicos elogiam
empenho dos atletas


O técnico do Recreativo do Libolo, João Paulo Costa, elogiou o comportamento dos atletas na vitória com a Académica do Lobito, por 2-0, no encerramento da jornada 24 do Girabola Zap.

Em declarações à imprensa, o treinador disse que a equipa mostrou atitude, carácter, identidade, por isso, conseguiu mais dois golos . “Nós criamos situações de finalização, falhamos algumas é verdade, mas a qualidade de jogo que apresentamos é de enaltecer”, frisou.

Do lado oposto, o treinador da Académica do Lobito, António Lopes "Chiby", afirmou que a equipa, apesar de ter jogado bem, não marcou, o que ditou a derrota.

Referiu, que o Libolo é uma equipa muito experiente, marcou dois  golos e mereceu a vitória, até porque foi a equipa que teve mais posse de bola, mas "devo felicitar os meus jogadores pela postura que tiveram ao longo do jogo", observou.

"Vamos trabalhar para que nos próximos jogos pontuemos", concluiu o timoneiro dos estudantes da cidade portuária do lobito.