Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Benguela muda tendncia do estgio em Angola

Betumeleano Ferr?o - 10 de Janeiro, 2017

1 de Agosto e Petro podem jogar para pr-poca em Benguela

Fotografia: Jornal dos Desportos

A preferência por Benguela, como local de estágio, é a nota dominante da pré-temporada do futebol angolano. Mais de metade das equipas do Girabola Zap vão à cidade das acácias rubras preparar os diversos compromissos, em que vão estar engajados durante a época, escolha capaz de trazer de volta velhos hábitos ao nosso futebol.

O número de jogos, que as equipas ambicionam realizar durante o estágio pré-competitivo, é um indício claro de que os clubes do Girabola Zap perderam o receio de defrontar os adversário, antes do arranque do campeonato.

As equipas que realizam o estágio em Benguela, não anunciaram com quem vão jogar, entretanto, é ponto assente que o número reduzido de clubes competitivos que a província tem, pode vir a ser determinante para que o 1º de Agosto, Petro, Kabuscorp, Interclube, ASA e o Sagrada, engulam o orgulho e vejam benefícios em medir forças na pré-época.

O 1º de Agosto é das equipas de Luanda que nos últimos anos ganhou um gosto especial por estagiar em Benguela, mas é a primeira vez que o faz em todo o período pré-competitivo naquela cidade, tal como o seu rival Petro de Luanda. Um provável jogo de controlo entre militares e tricolores é capaz dar aos seus adeptos na província um gosto especial do que vai ser a época 2017, em que  a par do Libolo, são os principais candidatos ao título nacional.

A última vez em que o 1º de Agosto e o Petro aceitaram o confronto durante o período pré-competitivo, também estagiavam na mesma cidade, Windhoek. Em 1998, os militares com o estreante Ndunguidi Daniel no comando técnico venceram na capital namibiana os tricolores de Jorge Ferreira, por 1-0, poucos dias depois repetiram a mesma dose na Cidadela, na primeira vez em que Nsilulu apareceu a suar a camisola rubro -negra no ainda Estádio nacional.

Os dois rivais tinham a Supertaça por disputar, todavia, puseram de lado a desconfiança e aceitaram aquecer a pré-época. A coincidência pode repetir-se, desta vez com os papéis invertidos, se o jogo de controlo acontecer, os militares entram em campo como campeões nacional, em 1998, os tricolores ainda faziam a digestão da dobradinha da temporada anterior.

O Desportivo da Huíla foi forçado a seguir a onda de Benguela, para ter jogos de controlo, este ano ainda ninguém apareceu a escolher o Lubango para estagiar, pelo que os militares também vão atrás de bons desafios pré-competitivos, para preparar a época sem os sobressaltos do ano passado.
Agora, sob liderança do regressado Mário Soares, o Desportivo também é capaz de aproveitar o estágio para cruzar com alguns dos prováveis adversários no campeonato da manutenção, como a Académica do Lobito, o FC Bravo do Maquis, que este ano  disputam o Girabola Zap, e o Santa Rita de Cássia FC, do Uíge, estreante na competição.