Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Bianchi tem medo do "jogo oculto"

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 04 de Junho, 2018

Brasileiro prepara com cautela jogo da 16 jornada do campeonato nacional diante do Cuando Cubango FC

Fotografia: Santos Pedro | Edies Novembro

O técnico do Petro de Luanda, Beto Bianchi, cuja equipa que orienta ocupa a segunda posição da tabela de classificação do Girabola Zap 2018, com 27 pontos, atrás do rival 1º de Agosto, admitiu no Lubango, onde se encontra em estágio de seis dias, que a segunda volta do campeonato vai ser muito difícil e teme por aspectos extra campo.
Beto Bianchi sustentou que, todos os jogos da segunda volta do campeonato nacional, vão custar muito suor e sacrifícios para se poder ganhar os três pontos. Por isso, a equipa tricolor trabalha em sessões bi-diário nos campos do Benfica do Lubango e do Ferroviário da Huíla, para o jogo diante do Cuando Cubango FC, no dia 8 do corrente, em Menongue, referente à 16ª jornada (primeira da segunda volta) da competição. 
O técnico brasileiro assegurou que, o Girabola deste ano, está mais equilibrado porque  mais equipas lutam pelos lugares do topo da tabela de classificação.
“Sabemos já como é o Girabola. Sabemos como as segundas voltas são. Aspectos também, infelizmente extra-campos, existem bastante e nós temos que estar atento a tudo isso. Mas vai ser muito difícil. Todos os jogos vão custar muito suor e sacrifícios para ganhar os três pontos”, disse.
Para o treinador tricolor, as dificuldades, no decorrer da segunda etapa do campeonato, não vão ser apenas para a sua equipa e aquela que estiver melhor preparada e com mais tranquilidade, poderá ter vantagem. 
Beto Bianchi esclareceu que, a direcção do clube, tomou a decisão de efectuar um curto estágio na Huíla, por possuir já experiências positivas desta província.
Apontou que a Huíla é uma província onde se pode trabalhar com tranquilidade, porque o clima favorece bastante e os jogadores ficam mais concentrados.
 “Tomamos esta decisão de vir para a Huíla, porque já temos experiências positivas desta província. É uma província onde podemos trabalhar com tranquilidade, porque o clima favorece bastante e os jogadores também estão mais concentrados. Ficar os 10 dias, em Luanda, seria mais complicado controlar todos”, justificou.
O conjunto do Catetão está no Lubango sem quatro jogadores, nomeadamente Carlinhos, Mateus, Gerson e Pedro, que estiveram ao serviço da selecção nacional que competiu na Taça da Cosafa, a decorrer na África do Sul.
O treinador tricolor assegurou que, os referidos jogadores, são aguardados nos próximos dias para integrar o grupo.

JOGADORES APTOS
 Os jogadores lesionados, durante a primeira volta do campeonato, foram apontados pelo técnico tricolor, como os potenciais reforços da equipa para o segundo turno da competição. Beto Bianchi revelou que, na primeira volta, tiveram 11 atletas sob cuidados médico e sem condições de jogar.
“Os nossos reforços vão ser os jogadores lesionados durante a primeira volta. Tivemos 11 jogadores lesionados, sem condições de jogar. Felizmente, a equipa não ressentiu. Penso que, qualquer outro clube, com 11 jogadores lesionados por muito tempo iria sentir essa falta e influenciaria na classificação mas, felizmente, não foi o nosso caso”, frisou.
O técnico salientou que, a comissão técnica da equipa, está a observar o atleta Benvindo, dos juniores, que actua no meio-campo.
“Estamos a observar também jogadores novos dos juniores, sobretudo o Benvindo, meio -campista ofensivo, que está a apresentar um nível bastante interessante. É um jogador que, possivelmente, poderá fazer parte do plantel do Petro na segunda volta”, assegurou.

“Não temos nada específico”
Os seis dias de preparação que a equipa do Petro de Luanda realiza na cidade do Lubango, tendo em vista o jogo da 16ª jornada do Girabola Zap, no dia 8 do corrente, em Menongue, diante do Cuando Cubango FC, vão servir, igualmente, para o corpo técnico corrigir alguns aspectos que ainda tem por melhorar. A garantia é do treinador Beto Bianchi.
 “Não temos nada específico. O programa que a gente faz sobre o treinamento táctico consiste na correcção de alguns aspectos, que ainda temos que melhorar. Mas a principal base é a circulação da bola, movimentos de ataque, posicionamento defensivo, o ABC de futebol e também a estratégia de bola parada, que está a dar resultado positivo para a nossa equipa”, indicou.
Beto Bianchi reconheceu que a equipa do Cuando Cubango FC é um adversário muito difícil, principalmente quando joga no seu reduto, devido as condições do relvado do campo (sintético).
“Sabemos o tipo de relvado daquele campo, que dificulta muito para um futebol mais vivo e rápido. Mas temos que nos adaptar em tudo, assim como nos adaptamos em outros relvados naturais, mas que estão em péssimas condições. Infelizmente é a realidade do futebol de Angola e numa primeira divisão é impensável, hoje, jogar em campos assim”, criticou.
O treinador da equipa do Catetão admitiu sábado, no Lubango, no final do primeiro treino na cidade do “Cristo Rei”, realizado no estádio 11 de Novembro, adstrito ao Benfica do Lubango, que todas formações que disputam o Girabola Zap, passam por essas dificuldades, daí, há que se adaptar a essa realidade.