Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Campeo "frouxo" reparte pontos

18 de Abril, 2016

O Recreativo do Libolo jogou sem garra com pouco engodo pela baliza

Fotografia: Jos Soares

O Porcelana Futebol club do Cazengo somou ontem a sua terceira derrota consecutiva, desta por 0-1 diante do Benfica de Luanda, em partida para a oitava jornada do Girabola Zap.

Disputada no Estádio Fernando Diniz, em N’Dalatando, ao intervalo o Porcelana já perdia por uma bola, embora longo dos primeiros 45 minutos tivesse controlado o jogo com base em passes curtos, de trás para frente, fazendo o esférico rolar a toda dimensão.

Os benfiquistas jogavam em passes longos, procurando fazer do meio apenas zona de transição. Mas o primeiro sinal de perigo pertenceu ao Porcelana, à passagem do minuto 20, quando Alexander desferiu um forte remate a cerca de seis metros da linha da grande área, fazendo a bola passar a excassos metros da baliza defendida por Fernando.

Três minutos depois o árbitro Job da Silva não assinalou um penálti resultante de mão à bola de um defensor do Benfica, dentro da sua área. A partir dos 30 minutos esta equipa conseguiu equilibrar o jogo, sobretudo na zona central do terreno e, por via disso, numa das poucas incursões Amido

Baldes marcou o primeiro golo da partida, aos 39 minutos, aproveitado uma defesa incompleta do guarda-redes Tsherry. A segunda parte iniciou com o Porcelana sem reação, pouca criatividade, ânimo, situação que permitiu ao Benfica ganhar mais protagonismo. Aos poucos, o meio campo do Porcelana foi desaparecendo.

Foi nesse período que algumas mazelas do Porcelana saíram à superfície, mormente, pouca desmarcação, deficiente posicionamento, ineficácia dos passes curtos, quebra física, dentre e outros.

Apesar disso, o Porcelana ainda beneficiou de um penálti a castigar pé em riste de um defesa do Benfica sobre o lateral direito do Porcelana, Miguel, dentro da área. Chico Caputo, chamado a cobrar, falhou, ao atirar o esférico para cima da barra transversal.

O técnico Luís Mariano colocou em campo Dilmam, Rasca e Careca, para os lugares de Viola, Djami e Armando, mas não consegiu inverter o rumo dos acontecimentos.

Zeca Amaral, por sua vez, foi bem sucedido, ao substituir Amido e Manuel por Bena e Beibe, respectivamente. O único cartão exibido foi o amarelo a Manuel por jogo perigoso.