Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Campeo ofusca proletrios

Jlio Gaiano, no Benguela - 22 de Fevereiro, 2016

Libolenses mesmo jogando meio relaxados foram superiores aos benguelenses na estreia no Campeonato Nacional de 2016

Fotografia: Santos Pedro

O campeão Libolo, tal como se previa, teve uma estreia auspiciosa no Girabola Zap 2016. Mesmo sem terem "corrido" muito, por culpa do forte calor que se fez sentir ontem, os libolenses acabaram por colocar os proletários em sentido. Ou seja, tiveram competência para fazer a reviravolta no marcador, depois de o 1º de Maio de Benguela ter feito o primeiro golo, aos 7 minutos, por Filipe, na marcação de uma grande penalidade, num jogo que teve um nome em destaque: Brito.

O cabo-verdiano do Recreativo do Libolo em três ocasiões (24´, 41´ e 46´) "violou" as redes do 1º de Maio de Benguela, o primeiro "hat-trick" do campeonato, e ficou, tal como os seus colegas, por marcar mais uns tantos tentos que poderiam provocar um vexame maior aos proletários que jogaram em casa.  

O golo dos proletários acabou por ser uma mera ilusão, pois, com o decorrer do jogo mostrou não possuir competência para  fazer frente aos libolenses.
O estádio municipal Edelfride Costa “Miau”, acolheu a contenda que marcou, pela negativa, o regresso dos encarnados à Primeira Divisão, depois de um ano a “vegetar” na Segundona.

O desafio teve de tudo um pouco. Ou seja, um 1º de Maio de Benguela a não saber aproveitar o factor casa, ante a aparente apatia demonstrada pelo adversário que se valeu pelo factor experiência. Melhor, não precisou empreender-se ao fundo para triunfar no reduto proletário que até teve o privilégio de inaugurar placard.

O primeiro golo 1º de Maio aconteceu, numa altura em o que o Recreativo do Libolo estava a dominar e a mostrar solidez estrutural a partir do sector intermédio, de onde partiam todas as acções ofensivas que resultaram em golos. O campeão, que teve em Brito um autêntico "abre-latas", foi demolidor, por isso acabou com o sonho dos comandados de Joaquim Finda “Mozer”.

O segundo golo de Filipe (de penálti), rubricado no minuto 63´, não serviu para animar o grupo, pois aconteceu numa altura em que o adversário detinha já o controlo do jogo, dando iniciativas aos proletários que, no fim acabaram por soçobrar. Perderam o controlo da situação e facilitaram a tarefa dos “forasteiros” que no tempo das compensações e neutralizações, trataram de fechar o marcador com um golo de belo efeito rubricado por Cabibi. A entrada da grande área, atirou a forte para fundo das malhas, mal guarnecida por Leo.

O golo arrasou por completo a ânimo da equipa do Maio e dos benguelenses que deixaram o estádio aborrecido.

ARBITRAGEM
Trabalho regular


A actuação da equipa de arbitragem, liderada pelo internacional João Ngoma, não comprometeu, ou seja, passou despercebida, tanto mais que manteve a postura de um verdadeiro pedagogo, embora houve reclamações sobre o seu trabalho em algumas situações. Esteve sempre presente aos lances capitais e, nalguns momentos em que o jogo caminhava por acções de violência física, envolvendo os atletas, apareceu para apaziguar a “confusão”.
O juiz internacional angolano foi bem acompanhado pelos assistentes Luís Mateus e Celestino Golombole.

OPINIÕES
JOAQUIM FINDA | 1º DE MAIO
“Perdemos nos detalhes”


“A minha equipa entrou bem e não soube manter o ritmo diante de um adversário que acabou por justificar a sua condição de candidato ao título. Por isso, não pode constituir um escândalo pela diferença dos golos rubricados a nosso desfavor, até porque os 4 golos que sofremos contra dois a nosso favor, reflectiram, perfeitamente a diferença do potencial das duas equipas em confronto. Por isso, sem evasivas, perdemos nos detalhes, onde a força e o espírito de campeão veio ao de cima”.

RUI CAMPO | LIBOLO
“João Ngoma foi hábil”

“Gostaria por felicitar a postura da equipa do 1º de Maio em campo. Lutou até onde pôde, felizmente, fomos melhores e merecemos o triunfo, pese embora termos actuado num campo, em cuja relva poderia merecer um tratamento melhor. Seja como for, valeu o espectáculo desbobinado pelas duas equipas. Todavia, mais uma vez, foi com alguma tristeza que assistimos a uma actuação com muita habilidade do senhor João Ngoma. Anulou-nos uma grande penalidade clara, todo o mundo viu e fez vista grossa”.

     MELHOR EM CAMPO
Brito exibe “Pé quente”


O avançado Brito, do Recreativo do Libolo, entrou com o "pé quente" no Girabola Zap 2016. O cabo-verdiano protagonizou a reviravolta que ditou a vitória do campeão nacional no desafio de estreia na competição ante o 1º de Maio de Benguela.
O jogador libolense, para além do golo do empate, teve ainda capacidade e tempo para marcar mais dois, o primeiro "hat-trick" do campeonato, sendo o terceiro uma autêntica "bomba".
A prestação de Brito no jogo de ontem à tarde, no estádio Edelfride Costa "Miau", em Benguela, acabou por mostrar que o avançado do campeão nacional está vivo para os golos e que promete muito mais ao longo da competição que teve o seu arranque na passada sexta-feira. Grande exibição!

INSCRIÇÕES
Campeonato tem pendentes


O Girabola Zap 2016, que ontem à noite, em Luanda, viu concluída a primeira jornada, tem pelo menos cinco casos pendentes de inscrições das equipas participantes, soube-se de fonte oficial.
De acordo com o presidente do Conselho Técnico Desportivo da Federação Angolana de Futebol (FAF), Fernando da Trindade "Nando" Jordão, em entrevista à Angop, trata-se de falta de documentação necessária das respectivas transferências internacionais passadas pela FIFA, mas não adiantou nomes nem respectivos clubes.

"Praticamente cumprimos com o processo de inscrições de todas as equipas. Apenas verificamos a falta dos documentos de transferências internacionais de cinco ou seis jogadores, que ficam pendentes até ao dia 23. Por isso, vamos aguardar pela chegada destes documentos, para que os clubes possam completar a legalização e utilizá-los na competição#, disse.             
Apesar disso, o responsável prevê um campeonato que supere em vários aspectos  as épocas anteriores, a julgar pelas acções levadas a cabo actualmente pela FAF e parceiros.