Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Campeo procura embalo

Betumeleano Ferr?o - 05 de Março, 2017

1 de Agosto procura esta tarde regressar s vitrias na recepo Acadmica do Lobito

Fotografia: Jos Cola

A questão do título continua na lista de prioridade do 1º de Agosto. Depois de perderem algum embalo no acerto ao calendário ao empatar a uma bola, quarta-feira, diante do CR da Caála, o objectivo para recepção a Académica do Lobito, esta tarde, às 17h00, no 11 de Novembro, é vencer.

Os militares foram intratáveis no duro tratamento que deram aos estudantes o ano passado. É bem verdade que estamos numa nova a época, mas é possível que as boas e más lembranças do que aconteceu o ano passado pode influenciar o desempenho competitivo dos duas equipas.

O favoritismo dos rubro-negro é uma questão consensual. Acreditamos que até no seio dos lobitangas estão cientes, que só com uma tarde sem inspiração dos donos da casa vão ter chances de discutir o resultado. A superioridade dos donos da casa é inquestionável no plano teórico e a única coisa que os seus adeptos aguardam, é pela hora do início do jogo para ver se o domingo vai acabar com (des)gosto.

A maior qualidade individual e colectiva vai forçar o 1º de Agosto a tentar forçar a Académica a defender do princípio ao fim. A equipa de Dragon Jovic sabe quanto tem de correr para evitar dar margem aos estudantes de surpreenderem em pleno no 11 de Novembro.

A artilharia militar está afinada neste início de época, mesmo sem os prolíficos Papel e Gelson. A equipa continua a marcar, ainda não ficou em branco em todos os jogos que disputou este ano. A eficiência no último terço vai forçar o adversário a efectuar um jogo irrepreensível, para evitar que golo chame golo e aconteça nova goleada.
Os estudantes estiveram atarefados durante a semana de preparação à assimilar a lição para travar o seu oponente. O que António Alegre e pupilos treinaram pode dar certo, mas têm que esforçar-se ao máximo para fazer a sua parte e forçarem os donos de casa a afrouxar o passo em campo.

A mais-valia do 1º de Agosto não pode impedir a Académica de sonhar alto no 11 de Novembro. Os lobitangas não querem contentar-se apenas em não perderem. É verdade que um empate já seria um grande resultado, mas fica claro que os forasteiros têm de ter a coragem de arriscar para petiscar sempre que tiverem esta oportunidade.

ASA
O desempenho competitivo do ASA no Girabola ZAP 2017 está muito aquém das expectativas por culpa própria e demoraram a voar em direcção as vitórias. O sorteio parece ter saído esta tarde em socorro dos aviadores. A recepção ao Santa Rita, às 16h00', nos Coqueiros, é como um presente que João Machado e pupilos têm de agarrar com duas mãos para sorrir de verdade pela primeira vez no Gira.

A equipa do aeroporto tem dificuldades de sair do solo, mas esta tarde estão sem liberdade de escolha, é ganhar ou ganhar para evitar o enorme desperdício de pontos nesta fase inicial do campeonato. Não importa quanto sofra, o que se espera é que no final respire de alívio com a vitória.

A campanha aviadora está muito fraca e a reacção demora a surgir. A equipa aos poucos começa a fazer com que os seus adeptos tenham más memórias do passado. Ainda assim, é cedo para ser categórico na afirmação de que o ASA vai lutar para evitar descer de divisão, contudo, é ponto assente que não vencer ao Santa Rita pode colocar em xeque João Machado e plantel.

Os objectivos modestos traçados pela equipa com nome de santa podem ser alcançados até com um empate, mas é pouco provável que Sérgio Traguil queiram vir a Luanda só com a intenção de somar um pontito.

A má fase aviadora no campeonato serve de motivação para a equipa do Uíge, pelo que a única coisa que se exige aos forasteiros é que sejam competitivos. O jogo desta tarde não parece que vai ser de sentido único, porque tudo vai depender do que o ASA vai permitir ao seu oponente.

Em termos mentais, o Santa Rita vem a Luanda mais confiante e moralizado com o triunfo na jornada passada, já que pode de transformar na pedra de toque que Sérgio Traguil necessitava para fazer da acumulação de pontos um hábito permanente no campeonato.

O desempenho dos contendores no campeonato é suficiente para espicaçar os dois planteis. O ASA tem uma equipa mais experiente, mas quem olha do outro lado depara-se também com alguns consagrados que num passado recente eram referências no futebol angolano.


Geraldo reforça motivação do grupo

O médio ofensivo do 1º de Agosto, Geraldo, afirmou em conferência de imprensa, no ex-RI20, que o grupo já digeriu o empate registado à meio da semana e estão focados apenas no regresso às vitórias, hoje, diante da formação da Académica do Lobito.
 
O atleta garantiu que o ambiente é de grande motivação para enfrentar os estudantes e conquistarem os três pontos, que lhes permite continuar nos lugares cimeiros da tabela de classificação.

"O grupo está bem e bastante motivado. Viemos de um empate  num campo muito difícil, principalmente para apresentar o nosso futebol mas as condições do relvado não permitiram. Graças a Deus, saímos de lá quase com uma vitória, pois, conseguimos um empate", conformou-se.

"O grupo está focado em regressarmos aos triunfos. Os treinos correram bem e estamos prontos para manter os nossos objectivos que é lutar para ganhar todos os jogos que temos pela frente", disse confiante.

O camisola 11 foi um dos jogadores mais influentes na conquista do título do ano passado e diz que esta época as coisas começaram melhor em relação a 2016, em função do maior entrosamento com os colegas.

"A minha época este ano está a ser melhor que o ano passado. Não tive a oportunidade de fazer a pré-época com a equipa, mas este ano estou a ter a oportunidade de trabalhar com o grupo e estou a sentir-me mais confiante. Espero ajudar o grupo a manter o nível que está a apresentar", analisou.

Geraldo reiterou que as metas traçadas pelos campeões nacionais mantêm-se intactas. "O objectivo do grupo é ser bi-campeão e vamos entrar em campo para darmos o máximo e conquistar o título", precisou.

Considerou que o empate diante do Recreativo da Caála não criou mais pressão sobre a equipa, por faltarem ainda muitas jornadas pela frente.

"Não sinto qualquer tipo de pressão. Estou aqui para dar o meu melhor e quero ajudar o clube a conquistar o título este ano. Não é por causa de um empate que vamos nos sentir pressionados", avaliou deixando alerta os adversários.

"Quem tem que estar pressionados são os nossos adversários que virão jogar connosco, porque somos o 1º de Agosto e vamos jogar sempre para ganhar. Em relação ao grupo estamos tranquilos para trabalhar e no final ganhar o campeonato", finalizou.         
                           JORGE NETO