Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Campeo proibido de perder

Paulo Caculo - 01 de Outubro, 2017

1 de Agosto e Libolo travam duelo de gigantes no 11 de Novembro

Fotografia: Jos Cola

"A equipa está bem, está motivada, em função da passagem aos quartos -de -final da Taça de Angola que veio no melhor momento, numa boa altura, motivou o grupo, os jogadores, a comissão técnica e a direcção do clube.
O 1º de Agosto recebe hoje às 17 horas, no Estádio 11 de Novembro, a visita do Recreativo do Libolo, jogo em que está proibido de perder, independentemente do resultado do Petro de Luanda, no Lubango.
A desvantagem dos militares na classificação (menos um ponto que o rival), aliado ao facto de terem pela frente um calendário claramente desfavorável, obriga o campeão a evitar mais percalços.
 Os militares enfrentam os libolenses, o primeiro de quatro jogos complicados  (com o Interclube, ASA e Kabuscorp),  onde é proibido vacilar, tão-pouco surgir diminuído, sob o risco de deitar tudo por terra, ou entregar de bandeja o título ao crónico rival.
 Embora o favoritismo esteja a pender para os campeões nacionais, sobretudo, pelo facto dos libolenses atravessarem uma fase irreconhecível de temporada, agravada com o recente afastamento da Taça de Angola, não está colocada de parte a possibilidade do conjunto de Calulo surpreender os militares. O 1º de Agosto empatou, sem golos, diante dos "sambilas" na jornada anterior, ao passo que o Libolo derrotou (1-0) o Caála.

 PETRO-DESPORTIVO
Antes do desafio dos militares agendado para as 15h00, entra em cena o Petro de Luanda, no Estádio do Ferrovia, diante do Desportivo da Huíla. O actual líder do campeonato nacional chega a este jogo pressionado pela necessidade imperiosa de pontuar. O adversário não é "pêra doce", e muito menos está disposto a proporcionar facilidades. Um bom jogo em perspectiva! 
 Ainda amanhã, o Recreativo da Caála mede forças com o Interclube, às 15 horas, no Estádio do Mártires da Canhala.  Deste jogo, as perspectivas que se fazem é de um duelo cujo equilíbrio pode ser a tónica predominante. Ainda assim, a jogar em casa e diante dos seus adeptos, os caálenses são obrigados a assumir as despesas da contenda.
 No mesmo dia e à mesma hora, no Estádio do Buraco, a formação da Académica do Lobito recebe a visita do Progresso do Sambizanga. Os estudantes ainda não asseguraram a permanência no campeonato, pelo que apenas a vitória interessa. Para tal, vão ter de provar que têm mais argumentos que os sambilas, um conjunto a atravessar bom momento de forma.

IVO TRAÇA
“Temos a obrigação de ganhar”
A corrida para o título de campeão nacional coloca a equipa na condição  de ganhar o jogo, hoje às 17h30, no Estádio 11 de Novembro, diante do Recreativo do Libolo, como afirmou o técnico -adjunto Ivo Traça, que defendeu a motivação existente no plantel para defrontar os libolenses.
"A equipa está bem, está motivada, em função da passagem aos quartos -de -final da Taça de Angola que veio no melhor momento, numa boa altura, motivou o grupo, os jogadores, a comissão técnica e a direcção do clube. Agora, temos de esquecer este jogo, temos uma final das cinco que faltam. É uma equipa campeã, todo o mundo conhece o Libolo, é uma grande equipa, jogadores de alta craveira, jogam em qualquer equipa de Angola, ou em África", disse convicto.
Para atingir o objectivo, os militares apostam forte, principalmente, no aspecto psicológico, dada a importância de cada jogo que têm pela frente nesta altura.
"A nós, 1º de Agosto, só nos compete trabalhar bem, estarmos bem psicologicamente, encarar este jogo com muita seriedade sem margem de erros. Não podemos cometer erros neste jogo, este é um desafio, em que temos de ganhar obrigatoriamente", disse.
"Sei que o Libolo vem para pontuar, mas nós jogamos em casa, e queremos ganhar o campeonato, assumir a liderança já que somos os campeões em título, então, temos a obrigação de vencer aqui o Libolo. Jogo do campeonato não tem duas mãos, só tem uma. E, esses são jogos derradeiros, em que não podemos falhar", apontou. 
A resposta dada pelo 1º de Agosto no jogo da segunda mão, diante da Académica do Lobito, é um exemplo daquilo que a equipa vai apresentar daqui para a  frente, de acordo com Ivo Traça.
"Acho que sim, o jogo que fizemos no Lobito, principalmente na primeira parte, até aos últimos minutos da segunda, será o exemplo dos outros jogos ou um bocado mais. É verdade que não há dois jogos iguais, e nós queremos passar o nível deste jogo da segunda mão com a Académica. Os jogadores correram muito, na primeira e na segunda partes, estavam muito concentrados defensivamente, isto é o que nós queremos, que aconteça também nos próximos jogos", garantiu.
A equipa deve manter a atitude em alta nos jogos, para derrotar os seus adversários, e hoje, não foge à regra diante dos libolenses.
"Queremos fazer os nossos ataques com paciência, cabeça, criar as oportunidades para, conforme aconteceu no segundo tempo no Lobito, com resultado de três golos. Sabemos que vamos encontrar  um Libolo igual à Académica, uma equipa que está a jogar muito futebol e deu-nos muito trabalho. E, aprendendo esta lição, estamos a contar com um Libolo da mesma forma como apareceu com  a Académica", rematou.                                                                               JORGE NETO


PASSADO
Militares minimizam
fraquezas do adversário

Ivo Traça minimizou os resultados negativos, feitos pelo adversário nos últimos desafios, considera que o 1º de Agosto cria motivação em todas as equipas, daí, as cautelas na abordagem ao desafio diante dos libolenses.
"Não pensem nisso. O outro pode vir moribundo, desculpa o termo, mas quando chegar a hora, eles vão buscar forças. Jogar com o Petro, Libolo, contra o 1º de Agosto todas as equipas vão buscar forças. Elas podem estar num estado que estejam, é difícil. Ganhamos, por 4-0, no Lobito, mas saímos de lá `mortos´, corremos muito, foi difícil, os últimos dez, cinco minutos, as duas equipas estavam `mortas´",  disse.
O antigo médio militar alertou, que o estado actual dos libolenses pode contrariar  a motivação dentro do campo. 
"Antes do jogo, todo o mundo diz que o 1º de Agosto é favorito, mas nós não. Sabemos que somos favoritos, porque vamos jogar em nossa casa, estamos à frente do Libolo, isto sim, mas dentro do jogo não. Só depois do jogo é que vamos ver, mas a nossa intenção é ganhar o desafio", alertou.
O técnico -adjunto revelou, que vai haver alterações na equipa, em relação à que defrontou os estudantes na quarta-feira, dentro da gestão do plantel.
"Há um bom tempo que fazemos esta gestão. Estivemos na competição africana,  com muitos jogadores lesionados, como o Isaac, Ibukun, Geraldo, o guarda-redes (Dominique), e mais alguns, mas nós conseguimos fazer uma boa gestão. Agora, nos jogos da Taça de Angola aconteceu a mesma coisa, contra o Progresso jogou uma equipa e com a Académica jogou outra diferente nos dois desafios", concluiu.                                                     
JN